Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Já votei

20.01.21

 

voto espinho.png

Domingo fui votar.

Exerci o meu direito ao voto.

Na minha mesa estive 20 minutos à espera em pé e ao sol. Tinha 6 pessoas à minha frente, mas o facto de ser possível apenas um votante por mesa tornava o processo lento. Não percebi porque não havia mais em simultâneo como nas eleições normais. Se fossem dois não haveria risco acrescido...

Adicionalmente a atrasar estava a lacragem do boletim. Tira envelope, mete envelope, cola etiqueta, ...

Além disso, chamou-me atenção a existência de um candidato desconhecido. Um tal de Eduardo na 1ª linha.

Tanta coisa com o processo eleitoral, para o boletim nem vir preciso. Dispensava a impressão a cores mas um boletim com os candidatos corretos.

Enfim, salvou-se pelo menos o processo desburocrático de escolha do local de voto.

 

Sobre o crescente nº de infetados e o confinamentotrês notas:

- Já desisti de os ouvir, mas não percebo o que fazem tantos médicos como esta semana nas redações das televisões a comentar a pandemia. É que nem um nem dois. São vários. Se em vez de estarem a dar show off nas televisões e a encher o ego, estivessem a ajudar os colegas ... 

- As escolas secundárias e universidades continuam abertas. mantenho o que escrevi sábado: não faz sentido

- Dizem os iluminados estudos de mobilidade e jornais lisboetas que o trânsito não diminuiu. Quem passa a Ponte Arrábida aqui no Porto, sabe perfeitamente que são as aulas que fazem baixar o trânsito. Aliás, nas férias escolares não há filas de trânsito. Portanto, as conclusões são óbvias: o trânsito não vai diminuir. Este jornalismo atrás do computador leva a notícias sem "sumo".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:19

Converter os lábios vermelhos em votos

16.01.21

labios.PNG

Amanhã exercerei o meu direito ao voto devido à facilidade do voto antecipado das pessoas em mobilidade. Não percebo porque não se institui esta facilidade antes, mas mais vale tarde do que nunca.

 

Depois de ouvir os insultos de um candidato ao referir a maquilhagem de uma candidata, senti-me a regredir na mentalidade. Se isso viesse de uma pessoa idosa que viveu na ditadura salazarista ainda se dava um desconto. Mas não. Veio de um candidato extremista de 38 anos que usa o insulto fácil e ódio nos seus discursos.

Não percebi se anti mulheres na política, se anti bloquista ou se um misto das duas coisas. Porém, ataques desta natureza já não se usam.

 

Posto isto, sei seguramente o que não quero para o meu país nem para o meu futuro. 

Amanhã darei o passo para o que não quero.

Não votar e contribuir para a abstenção, é contribuir para que esta forma de fazer política ganhe força.

Enquanto isto, assistimos ao flagelo do COVID. Hoje ouvi alguém referir o "confinamento da treta" onde para mim não ficou claro porque as universidades e as escolas secundárias continuam abertas (um dos maiores contribuidores para os aglomerados de trânsito e transportes públicos). Mas tomar as melhores decisões não é fácil.

Aos anti-covid que se dizem "pela verdade", ficam as imagens das urgências.

covid.PNG

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:43

O que a invasão bárbara ao Capitólio nos pode ensinar

15.01.21

capitolio.PNG

Ficamos chocados com a invasão bárbara ao Capitólio.

Numa das nações mais civilizadas do Mundo e símbolo da democracia, vimos um conjunto de pessoas motivadas pelo terror, ódio, anarquismo e irracionalidade a destruir tudo à sua volta. Quem o incentivou com ordens, foi um líder de extrema direita que não quer largar o poder, valendo-se de tudo

.

O que nos pode ensinar?

A anti democracia da extrema direita. A dificuldade de renunciar a outras opiniões e a sair o poder.

Por isso, antes de os pormos lá, vejamos e aprendemos com este exemplo de há dias. É isto que queremos?

 

Pior, foi assim nos EUA e vai ser assim noutros países com líderes que seguem o mesmo extremismo e despotismo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

As aparências e os fundos usados pelos comentadores de TV (II)

13.01.21

fundos tv.PNG

Vou voltar a escrever sobre isto.

 

Que mania irritante e vaidosa de algumas personalidades fazerem questão de colocar os seus livros nos fundos do comentário televisivo!

Ninguém vai ser melhor comentador ou manter a avença por ter uma biblioteca atrás!

Por falar em avenças, Susana Peralta já acumula noticiários com programas temáticos. Já Sebastião Bugalho foi "promovido" ao Expresso da Meia Noite e a cronista do DN.

 

Na semana passada vi um deputado do PS que nem conheço a comentar um debate na TVI24 e o Ribeiro Cristóvão na SICN com os seus livrinhos de fundo. Não há paciência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:24

Novo confinamento

11.01.21

IMG_20200621_103024.jpg

Defendi que no Natal, sendo uma época de muito afeto na nossa cultura, as restrições deviam ser aligeiradas, a pensar na solidão dos que vivem sós.

O problema foi que algumas pessoas esqueceram que andava um vírus à solta (eu verifiquei no Instagram - nem aí houve contenção). Nada de máscaras, muitas pessoas nas fotos ...

A responsabilidade deveria ser individual. Uns protegeram-se, outros não. Agora, estão aí as consequências.

Ao nível dos negócios, o Natal acabou por ser o balão de oxigénio para aguentar os subsídios de Natal e as próximas semanas.

 

Vem aí o confinamento, com todos conscientes que é a única solução para baixar os casos, até pelo exemplo do que aconteceu em Março (se bem que aí estávamos na Primavera, com menos propensão para resfriados).

 

Desta vez, já estamos mais preparados para o confinamento, na medida em que já passamos por um. Porém, para quem já estava mal, seja mental, social ou financeiramente (pessoas e negócios) vai ser mais um prego num caixão difícil de desmontar. 

As escolas, pelo menos, vão manter-se a funcionar, com alterações profundas em tudo o resto.

Vai ser a correria aos serviços nas próximas horas para assegurar o abastecimento para o próximo mês e vem aí em força o comércio online. As estruturas e alguns bens devem ter sido reforçados. Será que o fermento de padeiro vai esgotar? 

Por outro lado, com o frio que está, vai custar menos ficar fechado em casa. Até vai saber melhor ficar na cama até tarde. O que vamos poupar em combustível para ir trabalhar, vamos gastar na electricidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:35

José Guerra, compadrios e aldrabice - que consequências?

09.01.21

Fiquei envergonhado com a aldrabice e mentira com que mostramos aos outros países europeus como funcionam as "cunhas", os compadrios e o tráfico de influências em Portugal.

 

No caso do procurador José Guerra, o Estado português, em consciência e com intenção, optou por falsificar o currículo de procurador, acrescentando e inventando atributos, cargos e trabalho falsos para justificar a escolha.

 

Em detrimento, ficou a competência de outra procuradora que tinha sido primeira opção eleita por um órgão independente.

facebook.PNG

 Duas considerações:

- Este cenário ganhou importância e ainda mais gravidade por vir da Justiça e por nos expor à Europa

- estou convicto que não foi o primeiro nem será o único caso para cargos públicos onde a competência e mérito são preteridos às influências, compadrios e favores partidários.

 

Assim, toda a Europa ficou a saber o que é uma prática comum em Portugal e com isto houve apenas uma demissão, mas terá sido a pessoa correta? Quem ordenou esta falsificação foi demitido? Como diria, alguém depende do partido que o pôs lá ...

Seja como for, é uma vergonha que não é exceção!

Mas o que mudará daqui para a frente?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:02

Leituras do Último: O triunfo dos porcos de George Orwell

06.01.21

Triunfo dos porcos.PNG

Descobri este livro na estante da sala do meu pai na noite da passagem de ano.

Esta história é uma fábula onde os animais personificam os atores políticos da ascenção ao poder da extrema esquerda. Dado o contexto histórico, a associação é direta à implementação do comunismo na Rússia durante a primeira metade do século XX. 

 

A história passa-se numa quinta onde um porco inspirador tem o pensamento teórico do Rebelião: uma revolução em nome de uma quinta com mais liberdade, igualdade, qualidade de vida e felicidade. A ideia é todos os animais se juntarem e expulsarem os humanos exploradores, castradores e capitalistas.

 

Do pensamento, passa-se à ação depois da morte do porco mentor. Todos os animais atuam em conjunto sendo o processo liderado pelos porcos que se assumem como as personagens mais cultas, inteligentes e dinamizadoras do processo de Rebelião.

 

Com o tempo, os porcos tomam o poder, gerando-se uma disputa a dois. O argumento de que é preciso um líder forte  leva a alianças estratégicas acabando por ganhar um deles, o Napoleão. A partir daí, começam os abusos de poder, as manipulações de comunicação, leis feitas à medida e os porcos a enriquecer e os outros animais escravos e submissos. Enquanto os primeiros se alimentam bem e têm boas condições de vida, são cortadas as rações aos outros animais, lembrando-se de que com os humanos capitalistas era e seria pior.  Quem ousa trair ou criticar o líder porco, é assassinado pelos cães ao serviço do mesmo.

 

A ilusão prometida de felicidade e liberdade é substituída pela ganância do poder, manipulação e a teoria da conspiração dos opositores. Enquanto os "porcos" estão intocáveis, os outros animais definham manipulados, infelizes e impotentes. 

Existe inclusivamente a personagem do cavalo. Um animal forte, trabalhador e leal que quando fraqueja é abatido.

 

A moral da história é clara: não há sistemas perfeitos e os vícios do poder político são transversais à extrema esquerda e à extrema direita.

Em conclusão, é um belíssima história que usando animais ajuda a compreender o que foi o Comunismo na Rússia do século passado e de como na hora da verdade os vícios são todos. Fiquei a saber entretanto que este livro faz parte do Plano Nacional de Leitura

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:15

Cenas de ano novo

02.01.21

IMG_20200223_102148.jpg

Foto da minha autoria de um tanque público em PIgeiros (Sta Maria da Feira, 2020)

Não sei se já vos aconteceu isto:

 

Ontem, nas boas festas recebi no Instagram o bom ano de uma amiga.

Respondi, agradecendo e retribuindo.

Na resposta, veio um "desabafo" para denegrir e difamar uma amiga que temos em comum com quem anda pegada. Assim, do nada ...

 Disse-lhe que eram assuntos que não queria saber, dou-me bem com todos e que não tinha nada a haver com isso. Para cortar o assunto, despedi-me com um beijinho grande.

Na resposta de novo a lavar roupa suja...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:27

Roteiro de 2020

31.12.20

2020 foi o ano de muitos desafios.

Porém, no último dia do ano estive a entreter-me no Instagram publicando fotos de alguns sítios, em Portugal, por onde passei. É uma espécie de roteiro de quem procura ver o copo meio cheio de uma das coisas que gosta de fazer: viajar.

Aqui fica o roteiro com legendas:

Todas estas fotos foram partilhadas ao longo do no tag "Turistar" - https://oultimofechaaporta.blogs.sapo.pt/tag/turistar

 

Renovo os votos da última imagem: Que 2021 seja um ano de muita saúde , prosperidade e energia positiva! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:07

2020: um ano inesquecível

30.12.20

2020 foi o ano que prometeu: inesquecível!

Só que pelos piores motivos.

 

O que aconteceu parece um cenário digno de um filme: um vírus desconhecido atinge todo o planeta no espaço de semanas. Sem vacina, as pessoas são obrigadas a ficar em casa com medo de serem infetadas. As empresas param de trabalhar, as lojas fecham e os hospitais lotados.

Se alguém há um ano atrás dissesse que isto ia acontecer, seria apelidado de louco!

Quem foram os protagonistas? Todos nós!

 

Cada um à sua maneira e na sua realidade, todos nós sentimos os efeitos do covid. Seja na nossa saúde, seja no nossa trabalho, seja nas relações amorosas, pessoais ou sociais.

O que aconteceu e está a acontecer é inédito para todas as gerações. 

 

Não esqueceremos mais o ano 2020. Ficará cravado nas nossas memórias para sempre como um ano de mudanças, de restrições de liberdade, de afetos e de medo. Alguém legendava estes dias num post sobre uma morte: "2020 a ser 2020".

Muito se vai escrever sobre esta crise que estamos a viver por dentro.

 

Não sei como ser 2021, mas deixo estas fotos. Foram tirada no 1º banho do ano, dia de 1 de Janeiro de 2020, na praia de Espinho. Estavamos longe de imaginar o que aí vinha! Eramos felizes e livres sem saber.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:27


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.