Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Turistando pela Bélgica - Bruxelas

27.05.19

Quem me acompanha no Instagram, viu que nestes dias fui até à Bélgica. Este ano não pude tirar a semana habitual de férias em Junho, pelo que antecipei-a para Maio. A viagem foi planeada e marcada com tempo de modo a aproveitar preços mais baixos. Do roteiro, fizeram parte: Bruxelas, Gent, Brugge e Antuérpia.

 

Este primeiro post é sobre Bruxelas.

Vou aproveitar as fotos comentadas que fui pondo no Instagram. As fotos brutas estão no Facebook do blog.

 

O caminho entre o aeroporto e o centro da cidade foi feito de autocarro. Valeu-me a dica simpática da  Travellight para comprar os bilhetes online com antecedência. Poupei logo 3 euros. Estranhamente ninguém validou os bilhetes. O motorista limitou-se a rasgar o papel sem validar o código.

 

Bruxelas é uma cidade encantadora. Cumpriu em pleno as expetativas. A cidade tem a parte histórica (mais turística) com ruas medievais e a praça central com lojas e mais lojas de waffles e chocolates. Depois tem o extenso bairro europeu com serviços da União Europeia.

 

Dia 1 - Sábado 18 Maio

O dia da chegada foi o dia da parada gay na Bélgica, ou melhor da comunidade LGBT. Muita confusão na rua. Foi a primeira vez que assisti a uma e parecia um desfile de Carnaval. Vários carros alegóricos, muita gente a dançar as músicas das estrelas pop e muita fantasia do que são e não são. Duas notas que retive:

i) toda a cidade, desde edifícios públicos a grandes marcas mundiais se associavam a iniciativa com bandeiras, montras e cores nos edifícios.

layout bru.jpg

ii) não são só homossexuais que vão no desfile, também heterossexuais.

 

Depois do desfile e da brigada de limpeza passar e limpar, pela cidade havia arraiais LGBT que faziam lembrar o São João.

Com tanta confusão, pouco consegui ver ou admirar. Foi um dia quase perdido.

bruxelas_ufp_1.PNG

bruxelas_ufp_2.PNG

bruxelas_ufp_3.PNG

Do primeiro dia, saltaram logo as inúmeras lojas de chocolates e waffles. layout bru (2).jpg

IMG_20190518_221622_673.jpg

IMG_20190518_223209_733.jpg

 

 3º dia - Dedicado a Bruxelas

A manhã começou pelo Atomium. Não o subi. As impressões de outros boggers foi que não valia a pena e segui essas opiniões.

Curiosa a história do Atomium. Foi construído para a Expo 58 e representa o átomo do ferro, mineral muito frequente na Bélgica. À volta existem longos jardins, com uma grande mancha florestal.

bruxelas_ufp_4.PNG

Mesmo ao lado, entramos na Mini-Europa. Infelizmente ainda não se consegue comprar bilhetes no site oficial, mas no hotel tinha um flyer que dava desconto de 1 €.

 

A Mini-Europa é um parque temático com os principais monumentos dos países da União Europeia em miniatura. Muito engraçado o conceito e a diversidade, embora os países mais antigos na UE tenham muito mais miniaturas que os mais recentes.

De Portugal temos representado o Oceanário, a Torre de Belém, a Ribeira do Porto, o Castelo de Guimarães e o Algarve. Todos eles impecáveis, mas o Algarve está com um péssimo aspeto e uma imagem que nada tem a haver com a realidade. 

O acesso foi feito de metro que tem uma estação mesmo ao pé.

IMG_20190520_102753.jpg

IMG_20190520_102815_1.jpg

bruxelas_ufp_5.PNG

laybru.jpg

 

layout br.jpg

layoutbr.jpg

 

layoutbru.jpg

 

layoutbrux.jpg

Durante a tarde fui ao Bairro Europeu.

São quarteirões e quarteirões de prédios recentes, torres bem altas com serviços da União Europeia (Parlamento e Comissão). Só vendo é que nos apercebemos da dimensão e das pessoas que a União Europeia movimenta e emprega. 

 

Parlamentarium

Um espaço dedicado aos cidadãos com informações em português sobre a história da União Europeia, a localização dos seus serviços e quais as Instituições. Um verdadeiro serviço público com entrada gratuita. O espaço é tão grande que até tem uma praça no meio.

IMG_20190520_152722.jpg

Parlamento Europeu

É possível entrar no Parlamento Europeu como visitante. Com um controlo de segurança apertado, infelizmente devido às eleições estava vazio e adulterado pela montagem de um palco para um debate televisivo que houve. Sobre isso, acho que não se devia adulterar o "Parlamento". A casa do povo não deve ser alterada para estúdios de televisão.

bruxelas_ufp_7.PNG

IMG_20190520_214138_280.jpg

No seguimento da rua, chegamos à Comissão Europeia. A arquitetura espelhada resultou num mega edificio em forma de xis.

bruxelas_ufp_6.PNG

No seguimento, surge o Arco do Triunfo da Bruxelas.

IMG_20190520_162910.jpg

Mais abaixo o Palácio Real (fechado ao público), mas com guarda real :)

IMG_20190520_170932.jpg

Continuando a pé para a zona histórica e mais turística, cruzamo-nos com este jardim.

IMG_20190520_172056.jpg

Na zona histórica, a praça central deixa-nos sem palavras. Com um amplo formato retangular sem nada pelo meio, este é deixado para as pessoas. Seja para ponto de encontro, seja para a fotografia, seja para apanhar sombra, seja apenas para contemplar a beleza extraordinária dos edificos. As fotografias falam por si.

IMG_20190521_220108.jpg

 

IMG_20190521_220209.jpg

 

IMG_20190521_220215.jpg

 

IMG_20190522_150702.jpg

bruxelas_ufp_8.PNG´´

O famoso menino a fazer xixi. Já tinha lido que ele era muito pequenino e confirma-se. Neste dia estava vestido.

IMG_20190518_183257.jpg

IMG_20190518_195053.jpg

Bruxelas é uma cidade plana que se faz muito bem a pé. Dispensei-lhe dois dias e penso que menos que isso é insuficiente. 

É uma cidade segura, apesar de haver alguma multiplicidade étnica. A sua grande mais valia é a zona histórica, vedada ao trânsito automóvel e apenas com museus, restaurantes, lojinhas e habitação. Nas zonas turísticas não há carros.

Os preços não são muito baixos e pagam-se taxas turísticas. À exceção do dia da parada gay não andava muita confusão, mas sublinho que estamos em Maio.

Em breve partilharei impressões das outras cidades. Fotos completas no Facebook.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44

Pelas escadas do Bussaco

08.05.19

No regresso de Piodão ao Norte, viemos pelo Bussaco e fizemos o trilho da sua serra em direção ao palácio.

IMG_20190428_170452.jpg

 

IMG_20190428_171114.jpg

 

IMG_20190428_172314.jpg

 

IMG_20190428_172440.jpg

 

IMG_20190428_180449.jpg

 

IMG_20190428_174050.jpg

IMG_20190428_180644.jpg

 

IMG_20190428_180703.jpg

 

IMG_20190428_181030.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:10

Turistando por Foz d'Égua

05.05.19

A menos de 4 quilómetros de Piodão, fica Foz d'Égua, um dos sítios que tinha muito curiosidade em ir dado que muita gente lá vai.

 

Os acessos são fracos. Não percebo como um dos sítios mais turísticos do Centro de Portugal não melhora os acessos. A estrada está esburacada, sem grande segurança e na zona o estacionakmento é em terra batida. Dá uma imagem de desleixo e sobretudo de desvalorização. É pena. Não faz sentido gastar rios de dinheiro em campanhas e agências de comunicação se falha no elementar.

 

Adiante, Foz d' Égua é conhecida pela sua ponte suspensa, cujo acesso está vedado. Por questões de segurança, só ver e fotografar. É uma construção humana muito original e mesmo em frente existe uma casa (não sei se habitada) com um tronco de um pinheiro no meio (ver foto abaixo).

 

Ao pé existem trilhos que se podem fazer (que ligam a Piodão) e a estátua de um açor, fazendo jus ao nome da serra.

No topo da montanha existe um santuário acessível a pé. 

No Verão é possível tomar banho na praia fluvial e tem um bar de suporte.

IMG_20190428_102522.jpg

 

IMG_20190428_102716.jpg

 

IMG_20190428_102901.jpg

 

IMG_20190428_103242.jpg

IMG_20190428_103315.jpg

 

IMG_20190428_103409.jpg

 

IMG_20190428_103707.jpg

 

IMG_20190428_104055.jpg

IMG_20190428_104108.jpg

IMG_20190428_105951.jpg

 

IMG_20190428_110525.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:01

Turistando pelo Piodão

02.05.19

No passado fim de semana o destino foi Piodão. 

Uma viagem planeada desde o Natal e na verdade foi o aproveitamento de uma prenda.

Piodão é uma aldeia que fica no concelho de Arganil no coração da Serra do Açor.

 

Viemos pela A1 e saímos na Mealhada onde almoçamos. Seguimos em direção a Coimbra pela EN1, apanhamos o IP3 em Souselas e depois o IP6 até Coja. Além do GPS, foi o melhor caminho sugerido por quem já conhecia.

De Coja a Piodão, o caminho é pelas montanhas da Serra do Açor, com as normais curvas e contracurvas, existindo muitas placas com indicação da aldeia.

 

Lá chegados, o carro, tem de ficar à entrada existindo estacionamento. A aldeia fica isolada, ou seja, lá só dá para dar a volta e voltar para trás. A aldeia de xisto vê-se bem a pé.

 

Logo à entrada, existe a Igreja caiada de branco, dois ou três restaurantes e lojas de produtos regionais. 

O resto tem de se fazer a pé.

 

As ruas são bastante estreitas e vêm-se pormenores de azul nas portas e janelas. Para percorrer as ruas, é necessário ir com vontade de fazer subidas :) Para se ter uma vista paronamica pode-se fazer o carreiro em direção ao cemitério.

Junto à aldeia, existe também a praia fluvial. 

IMG_20190427_154233.jpg

 

IMG_20190427_154639.jpg

 

IMG_20190427_155009.jpg

 

IMG_20190427_155122.jpg

 

IMG_20190427_155543.jpg

 

IMG_20190427_155547.jpg

 

IMG_20190427_155952.jpg

IMG_20190427_160217.jpg

 

IMG_20190427_160838.jpg

 

IMG_20190427_161403.jpg

IMG_20190427_161549.jpg

A vista da aldeia ainda dá uma ideia de Sistelo com os socalcos.

IMG_20190427_164110.jpg

 

IMG_20190427_172711.jpg

 

IMG_20190427_210740.jpg

 

Dois pormenores:

IMG_20190427_160709.jpg

Os guardanapos de um café :)

IMG_20190427_163404.jpg

Ao percorrer as ruas desta aldeia, ficamos a pensar como será viver neste isolamento... Uma aldeia lomnge de tudo com meia dúzia de casas. Se for preciso ir ao supermercado? Ao médico? Uma farmácia? Por muito que me custe dizer. é bonita para visitar, mas para viver ...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:11

Turistando pela Lousã - Baloiço e Candal

18.04.19

Depois de Coimbra, o destino foi a Serra da Lousã.

Já tinha visto muitas fotografias, inclusive do baloiço, mas nunca lá tinha ido. Lá perto, foi o pretexto ideal.

A Lousã penso ser dos destinos que mais tem crescido nos últimos anos, pelo menos a avaliar pelas publicações nas redes sociais.

 

Baloiçp

Comecemos pelo baloiço, talvez dos locais mais fotografados em Portugal. Aliás, no trabalho, foi logo o primeiro sítio que me perguntaram se tinha ido. Digo-vos que além de mal sinalizada na serra, o seu acesso é horrível. Um verdadeiro caminho de cabras. Não percebo como é que a Câmara da Lousã não faz mais pelo seu principal ponto turístico!

Enquanto não ajeitarem a estrada, foi a primeira e última vez que me apanharam lá.

IMG_20190331_133412.jpg

A Serra em geral está cuidada e limpa. No regresso à cidade, paramos na aldeia do Xisto da Serra da Lousã -Candal

IMG_20190331_140617.jpg

IMG_20190331_141253.jpg

 

IMG_20190331_141333.jpg

IMG_20190331_141437.jpg

 

IMG_20190331_141504.jpg

 

IMG_20190331_141600.jpg

IMG_20190331_141600.jpg

 

IMG_20190331_141852.jpg

 

IMG_20190331_141927.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08

Turistando por Coimbra

10.04.19

IMG_20190330_185945.jpg

"Coimbra é tradição" diz a canção.

 

Já lá não ia desde uma visita de estudo no 9º ano (2003). 

15 anos depois, as memórias que tinha, foram reavivadas.

A cidade não mudou nada. Uma cidade velha, completamente presa na tradição e no tempo. Sem uma grua, sem uma obra, os prédios e as cores de sempre.

Se hoje em dia se discute as renovações e a reabilitação urbana, Coimbra não tem essa questão. Falta de interessados? Falta de massa crítica? As pessoas que conheço e que lá estudaram, nenhuma delas lá ficou. Fez o seu curso e depois regressou logo.

 

Esse cheiro a mofo da cidade, nota-se no espírito empresarial. Porque razão uma universidade tão conceituada não consegue fixar nem trazer multinacionais? Porque razão Braga, Aveiro e Guimarães têm muito mais start-ups e empresas que Coimbra?

De cabeça, a exceção é a Critical Software e vá, a Efapel.

 

Mas vamos à parte boa da cidade e o "meu" roteiro.

 

Sábado

Chegamos já tardito, ao fim da tarde, aproveitando um voucher de um hotel. Sem escolhermos, ficamos com um quarto virado para o Mondego. 

IMG_20190330_181359.jpg

Depois de termos deixado lá as coisas, fomos a pé ao centro histórico/Baixa.

Eram umas 19h e para cortar caminho fomos por umas ruas medievais. Fez-me lembrar Barcelona. 

Chegamos à Praça do Comércio. Ampla, demos logo com uma igreja. 

 

IMG_20190330_184316.jpg

Subimos e chegamos à rua pedonal larga - Rua Ferreira Borges. A rua do comércio local. 

IMG_20190330_184850.jpg

Uma caminhada até ao rio Mondego e demos com um belo pôr do sol sobre o rio.

Demos meia volta e comemos uns docinhos na Pastelaria Briosa. Chamou a atenção, estarem muitos turistas estrangeiros (lá está - muita gente de passagem ...).

IMG_20190330_185228.jpg

 

IMG_20190330_185524.jpg

Demos meia volta e fizemos o percurso inverso rumo à Igreja de Santa Cruz onde está sepultado D. Afonso Henriques.

Já estava fechada, mas a zona está cuidada.

IMG_20190330_191423.jpg

De seguida, subimos em direção ao Jardim das Sereias.

Nos Jardins da Praça da República, andava pouca gente na rua, mesmo sendo um sábado à noite. Tentamos os elevadores que ligam a parte baixa da cidade à alta, na zona do mercado,  mas estavam avariados e tivemos que dar a volta a pé para chegar à Sé Velha. Nessa Avenida, há muitos restaurantes mais alternativos. 

IMG_20190330_191844.jpg

 

IMG_20190330_200051_1.jpg

Descemos novamente até Rua Ferreira Borges e no caminho descobrem-se uns arcos muito interessantes.

IMG_20190330_200515.jpg

 

IMG_20190330_200629_1.jpg

Domingo

O Domingo de manhã foi reservado para a Universidade e Jardim Botânico. Do que me lembrava há quinze atrás, mantém-se igual.

IMG_20190331_102502.jpg

Tirar estas fotos junto da Universidade não foi fácil. Havia muitas excursões, fotos de grupos e até uma sessão fotográfica de uma finalista.

IMG_20190331_102600.jpg

IMG_20190331_103228.jpg

IMG_20190331_103519.jpg

Depois de visitado o terreiro da Universidade, fui ao Jardim Botânico. Era um ponto que queria mesmo ir.

IMG_20190331_104214.jpg

IMG_20190331_104745.jpg

IMG_20190331_104912.jpg

IMG_20190331_105135.jpg

IMG_20190331_105203.jpg

A meio da manhã, partimos para a Quinta das Lágrimas, do outro lado do rio.

No caminho, passou-se pelo Estádio Cidade de Coimbra, e essa pareceu ser a zona residencial da cidade. Moderna, com prédios e onde os serviços parecem estar mais concentrados. Tal veio reforçar o que tinha achado na véspera: o centro histórico ficou para turista fotografar. Depois de passar a Ponte de Santa Clara, reparei que apesar do domingo solarengo nos jardins à beira do Mondego não andava quase ninguém nem a correr nem a passear.

Na Quinta das Lágrimas, o acesso é pago (2.50 €)

IMG_20190331_112252.jpg

IMG_20190331_112457.jpg

IMG_20190331_112545.jpg

IMG_20190331_112944.jpg

IMG_20190331_113052.jpg

 

IMG_20190331_113145.jpg

 

IMG_20190331_113156.jpg

 

IMG_20190331_113953.jpg

Lá perto, é o Portugal dos Pequenitos, mas esse tem mais piada com crianças.

De seguida, fomos à Serra da Lousã, mas essas fotos ficam para outro post.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:29

Turistando pelo Soajo

23.03.19

Num destes fins de semana, fui desafiado a ir a Sistelo. Lá perto, aproveitamos e fomos ao Soajo.

 

Pertence à Serra da Peneda e ao concelho de Arcos de Valdevez.

 

Nunca tinha lá ido e a grande curiosidade é o monte granítico com os espigueiros em roda. A aldeia é pequena e fizemos um pequeno roteiro a pé.

 

IMG_20190223_165809.jpg

 

IMG_20190223_165852.jpg

 

IMG_20190223_165916.jpg

 

IMG_20190223_170040.jpg

 

IMG_20190223_170307.jpg

IMG_20190223_171320.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44

Por Paços de Ferreira

19.02.19

No sábado de manhã fui a Paços de Ferreira.

IMG_20190216_123619.jpg

Quando mobilei o meu apartamento alugado, em 2015, pelo custo, design e carácter temporário do arrendamento, a minha primeira opção foi a cadeia sueca. Com poucas centenas de euros, comprei a mesa da cozinha, cadeiras, o móvel e mesa da sala, umas prateleiras, a cómoda e uma mesinha de cabeceira no Ikea. O sofá e a cama, devido aos custos de transporte e por segurança do conforto, preferi uma loja especializada de sofás com fábrica em Portugal.

 

É impressionante a quantidade de lojas de móveis que se vê na estrada Nacional de acesso à cidade.

Percebe-se logo porque se chama "Capital do móvel".

Causa impacto também a dimensão da fábrica do Ikea no cimo da montanha nessa mesma via.

 

Enquanto passava, dei por mim a pensar: e se estas micro-lojas/empresas se unissem e criassem uma grande empresa de móveis? Uma empresa portuguesa? Tanto retalho e variedade tem coisas boas mas não se consegue afirmar, vencendo os fortes (quase) sempre. A capacidade de oferecer preços acessíveis ao consumidor também se torna mais difícil. 

Assim, poderia haver uma grande marca e retalhista portuguesa, com origens nessa zona, com uma oferta mais diversificada: uma mais low cost e outra mais cara, mais diferenciada e com melhor margem.

 

Foi a primeira vez que fui à Paços. É uma cidade pequena e a surpresa é que não tem ruas pedonais. Talvez por ser sábado, estava despida de pessoas... para compensar tem um longo e agradável parque da cidade. Um café num edificio recuperado, envidraçado e virado para o parque pareceu uma boa opção.

IMG_20190216_124014.jpg

 

IMG_20190216_124146.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:35

Turistando pela Ilha Terceira (Açores)

03.02.19

A Terceira foi a quarta e última ilha desta minha viagem pelos Açores (depois de Santa Maria, São Miguel e Graciosa).

O cansaço era algum, mas confirmou-se a imagem que tinha. A seguir a São Miguel, a Terceira é, deste lote, a ilha mais desenvolvida e de maior dimensão. Ao aterrar no aeroporto, chama a atenção a área ocupada pela base americana das Lages. Bem extensa. de cor amarela e com a impressão de um certo abandono, i.e., de onde já viveu mais gente do que aquela que vive agora. 

Comecemos pela primeira cidade: a Praia da Vitória.

É impressionante o efeito de baía da localidade que  foi fechada pela mão do homem. A cidade fica muito protegida e muito bem enquadrada.

IMG_20180821_133019.jpg

Das cidades açorianas visitadas talvez seja a mais bonita.

Existe um miradouro perto de onde tirei estas fotos.

O areal é grande e majestoso, mas com uma tonalidade escura. Na marginal existe um hotel com lojas de praia, de souvenirs e restaurantes por baixo. Consegue-se facilmente perceber que é uma cidade agradável e como o nome diz, muito virada para a praia.

IMG_20180821_133115.jpg

Lá em baixo, o calçadão. Ao fundo está o miradouro onde tirei as fotos acima.

IMG_20180821_155054.jpg

Numa ida a pé pela cidade, no cento histórico, as casas têm o registo do resto das ilhas. Aqui a Câmara Municipal.

IMG_20180822_200023.jpg

A praça central em frente à Câmara. Vedada ao trânsito tem um símbolo curioso desenhado ni chão

IMG_20180822_200029.jpg

Ao lado da casa cor de rosa, a longa e majestosa rua central e pedonal da Praia da Vitória. Como noutras cidades, gravita o comércio tradicional. Reparem no tipo de calçada.

IMG_20180822_200225.jpg

Depois de passear a pe~la cidade, subimos lá cima a um dos pontos de maior popularidade dos Açores e que toda a gente fala: a manta de retalhos. Uma longa extensão de planície, com diferentes tonalidades de verde, com delimitações em pedra.

Algumas têm vacas a pastar. A par de S. Miguel, esta ilha é das que tem mais vacas.

As imagens deixam qualquer um sem palavras.

 

IMG_20180821_162314.jpg

IMG_20180821_162738.jpg

De seguida o caminho foi pela capital, Angra do Heroísmo. O tempo chuvoso impediu grandes passeios e fotografias. Naturalmente debruçada sobre o Atlântico, várias igrejas coloridas compõem a paisagem.

 

IMG_20180822_112502.jpg

O interior do Salão Nobre da Câmara Municipal aberta ao público.

IMG_20180822_134324.jpg

Ao longo de toda a ilha é comum ver estas capelinhas coloridas em honra do Divino Espirito Santo. Umas mais bonitas que outras, consegui fotografar esta. Um dos ex-libris da liha.

IMG_20180822_163643.jpg

Para finalizar a tour pela ilha, houve tempo para ir à Zona balnear dos Biscoitos. Estava mau tempo e chuva, pelo que não passamos da zona de cimento. Trata-se de um local ruchoso, onde a engenharia humana criou uma zona balnear.

IMG_20180822_182204.jpg

IMG_20180822_183829.jpg

Roteiro:

 

São Miguel - 2º dia

São Miguel - 1º dia

Santa Maria

Graciosa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:38

Turistando pela Graciosa (Açores)

28.12.18

Depois de Santa Maria e São Miguel (1º dia 2º dia), a terceira ilha a visitar foi a Graciosa.

Tinha muito curiosidade por esta ilha por ser menos turística e haver poucas imagens, fotografias e relatos nos blogs onde pesquisei.

 

Ao aterrar no aeroporto, chamou a atenção a sua microdimensão. Como a ilha é pequena, muito rapidamente se chegou do aeroporto ao centro da capital, Santa Cruz da Graciosa. A primeira coisa que chamou a atenção foi o facto de não andar ninguém na rua. Mesmo sendo Agosto. O que isto significa? Que quem lá vive, está a trabalhar e não há turistas. 

O centro da cidade é pequenino e tem dois grandes lagos abandonados. No passado serviam de reservatórios da água da chuva numa espécie de barragem dos tempos antigos. Hoje em dia são decorativos. Depois de uma volta a pé e à Igreja, constata-se que o comércio de rua é quase inexistente, o indispensável para a população da ilha. Naquele momento, questionamo-nos: somos nós que estamos mal habituados?

IMG_20180820_104434.jpg

Os tais tanques centrais

IMG_20180820_104608.jpg

A Igreja matiz

IMG_20180820_104810.jpg

Um coreto sem teto 

IMG_20180820_105345.jpg

Subindo ao miradouro (Monte Nossa Senhora da Ajuda)

(Aquela piscina é a do único hotel da ilha)

IMG_20180820_111508.jpg

Nesta foto consegue-se ver a dimensão da capital. Um núcleo de casas, com os tais tanques a ocupar o centro da cidade à beira mar virada.

IMG_20180820_111651.jpg

 

Percorrendo a ilha começam-se a ver os moinhos. Ao longo do passeio, percebe-se a razão de ser do nome: é muito fofinha e graciosa.

A primeira paragem foi junto a estes moínhos. Pelo que li nas placas, foram reaproveitados para alojamento local. O seu telhado pintado de vermelho e a sua dimensão gigante tornam-se muito característicos e a imagem de marca da ilha.

IMG_20180820_124232.jpg

Em frente aos moínhos, um ilhéu com muito bom aspeto. Lá perto existe uma lojinha que vende queijadas para os mais gulosos. Depois de lá estar experimentei.

IMG_20180820_124318.jpg

Seguindo no recorte costeiro, a próxima paragem foi na vila piscatória de Carapacho.

Mal entramos na primeira rua, chamou-me a atenção do seu nome: "Rua Moínhos de Vento". Só podia :)

IMG_20180820_124708.jpg

Continuando a caminhar em direção ao mar e às termas, deparei-me com esta caixote do lixo. Pode ser só para turista ver, mas que está qualquer coisa de fofo lá isso está.

IMG_20180820_130538.jpg

Descendo a rua junto ao mar, estão umas termas. Não entrei, mas a sua localização é muito curiosa. Fica em frente ao mar (é aquela casinha branca junto à água). Nesta zona não há praia, mas há um aproveitamento em cimento para fazer uma piscina natural.

IMG_20180820_131143.jpg

 

IMG_20180820_131505.jpg

Prosseguindo na ilha, é impressionante a nitidez com que se consegue ver a ilha de São Jorge e a do Pico.

IMG_20180820_131609.jpg

Mais uma vila piscatória e uma praia de areia escura. A única que identifiquei na ilha.

IMG_20180820_124841.jpg

IMG_20180820_125139.jpg

Curioso o pormenor para de acesso à praia (para impedir que os carros entrem por lá dentro).

 

Por fim, na Graciosa ainda deu para visitar  a Furna do Enxofre, a maior abóbada vulcânica da Europa. Dá para descer lá abaixo. Uma descida numa escada em caracol com um cheiro forte a enxofre, mas suportável. Um bom exercício de pernas porque depois é preciso depois subir :) Lá em baixo consegue-se ter a sensação do rochedo em cima de nós bem como ver água a borbulhar. Vale a pena!

IMG_20180820_160441.jpg

De mais um dos miradouros:

IMG_20180820_165555.jpgIMG_20180820_165640.jpg

IMG_20180820_165939.jpg

IMG_20180820_170249.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma nota final para a forma desta rocha no mar: parece um peixe. Incrível não é verdade!?

IMG_20180820_173245.jpg

Impossível ficar indiferente a esta ilha tão bela, mas ainda muito pouco  virada para o turismo. Atividades praticamente inexistentes, serviços de hotelaria, idem. Mas terá a ilha capacidade energética por exemplo para acolher turismo?

 

Roteiro:

São Miguel - 2º dia

São Miguel - 1º dia

Santa Maria

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:50


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Blogs Portugal