Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A imposição da liderança por mulheres

26.06.17

É sensívelmente 10% o número de mulheres que estão na adminstração de empresas cotadas. E fora destas, apenas 29%. Os números são gritantes!

 

Um estudo interessante pode ser lido aqui. Foi aprovada estes dias uma nova lei que as força a integrar 33% de mulheres na sua liderança. A lei é muito relevante quando se olha para os números e para a realidade.

 

A grande conclusão é que a mulher trabalhadora portuguesa é vista como boa executante, mas sem capacidade/vontade/reconhecimento de liderança. Acho estas conclusões graves, sobretudo quando já passaram 43 anos do de 25 de Abril e da liberalização do acesso à literacia por ambos os géneros.

 

Muitos debatem (em surdina, para não serem "mal intrepertados" se faz sentido uma lei impôr esta limitação de género.

 

Na minha opinião, sim. Faz todo o sentido.

Porque se nada for feito, nunca se sairá deste status quo de predomínio do sexo masculino na tomada de decisão. Continuará tudo na mesma e a sociedade não evolui. Considero que igualização de oportunidades, de acesso a salários mais elevados e oportunidades de carreira por todos faz parte da evolução da sociedade. Mesmo em empresas privadas, mas com responsabilidade com as do PSI-20. Na minha perspetiva existem condições para essa mudança.

 

Importa refletir também porque é que essa mudança não se deu até hoje.

Por um lado acho que existe um certo conservadorismo de quem manda, numa espécie de círculo vicioso homem nomeia homem (mentalidade).

Por outro lado, a dificuldade de discernimento na tomada de decisão. A mulher-líder tem mais tendência a se deixar levar-se por picardias pessoais ou pormenores, não conseguindo ter a frieza e esclarecimento necessário. Mas aqui, já se consegue contornar pela escolha dos perfis mais adequados.

Em terceiro lugar, a maternidade. Muitos accionistas receiam que o nascimento de um filho torne a profissional mais ausente ou com menos disponibilidade para a Empresa. Acho uma falsa questão - depende muito das condições, personalidades e da exigência que os cargos e as chefias impõem.

Em quarto, o chamado Teste de Bechdel.  Consiste em analisar se uma obra de ficção ou filme possui, pelo menos, duas mulheres que conversam entre si sobre algo que não seja um homem. Transportado para a realidade do trabalho e da liderança, será que o homem consegue isolar mais a componente afetiva ou amorosa do que as mulheres e ser mais racional e prático? Acho que sim, mas depende das personalidades.

 

Atualmente, apenas três mulheres se destacam, mas duas delas já nasceram viradas para a lua: Paula Amorim (Galp) e Claudia Azevedo (Sonae). Isabel Vaz (Luz Saúde) é a exceção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Blogs Portugal