Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Crises

13.10.21

IMG_20210704_104142.jpg

 

Diz-se que a minha geração, os "Millenials" é das gerações mais recentes a passar por duas crises: a Troika e a do Covid 19.

Contextos e consequências diferentes, onde cada um sente à sua maneira.

 

Na crise da Troika tive a sorte de ter começado a trabalhar 6 meses antes e onde aprendemos da pior maneira a segurar o emprego. Não se falava na saúde mental da geração à rasca, onde a palavra precariedade laboral era a que melhor se aplicava. 

Quem tinha um emprego, tinha de o aguentar pois para onde quer que olhássemos, víamos/conhecíamos alguém a procurar emprego, despedido, ou qualificado mas com salário baixo e instável. Outros, por sua vez, tiveram que emigrar, numa fuga de talentos inacreditável (sobretudo na área da enfermagem e para Angola). 4 longos anos até o mercado melhorar (2011-2015).

 

Veio a bonança, com muitas empresas multinacionais a instalarem-se em Portugal, sobretudo na área financeira e na informática. Muitas vagas de emprego, muita rotação de trabalho e um bom estado de espírito da sociedade em geral.

 

No ano passado, vivemos a crise do covid. Uma crise mais mental que financeira. Vimo-nos privados das nossas liberdades. De repente, fomos forçados a ficar em casa sabe-se lá em que condições, a fazer filas no supermercado, a justificar a polícias na rua porque estávamos no exterior e a fazer das nossas salas/quartos, escritórios. Perdemos o contacto social e passamos a viver num pânico de contágio constante, muito também imposto pelas medidas restritivas e pelos anúncios diários do nº de mortes.

 

Hoje, na minha opinião saímos mais fracos destas crises. 

Quem estava fraco, aniquilou-se nas crises. Quem estava forte, aguentou-se. Isto aplica-se às empresas, à nossa vida social, familiar e emocional.

 

Saímos mais egoístas, mais radicais, com muitos aproveitamentos políticos pelo meio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45


12 comentários

Imagem de perfil

De Zé Onofre a 13.10.2021 às 19:27

Boa tarde

1º- Peço desculpa pela minha ignorância.
2º- O que quer dizer "Millenials"?
3º - Nunca passou pela vossa cabeça os das gerações "à rasca" e Millenials", unirem-se, empregados mal pagos e os desempregados, para enfrentar um patronato e um regime económico-financeiro que vos esmaga e humilha?
4º - Poderia falar de Spartacus que preferiu morrer livre do que viver escravo. Falo-vos antes de Catarina de Gusmão, rainha e esposa de D. João IV que, segundo a a lenda ou facto histórico, disse a seu marido e futuro rei - Mais vale ser Rainha uma hora, do que duquesa toda a vida. -
Se de algum modo o ofendi com as minhas palavras creia que não foi intencionalmente. Se o fiz desde já peço desculpa
Zé Onofre
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 14.10.2021 às 22:03

Não ofende nada, ora não fosse isto um espaço aberto e com ideias construtivas. A nossa geração é muito competitiva. Vejo pela geração dos meus pais que passou pela tropa. Para o bem ou para o mal, parece-me que foi um exercício de fortalecimento de laços e entre ajuda, fomentada pela estadia militar.
A minha geração vive na escalada de ser melhor que o outro ou que o vizinho. Os rankings, os prémios de desempenho nos empregos a isso levam.
Noto essa falta de solidariedade.
Sem imagem de perfil

De Tintinaine a 13.10.2021 às 23:55

Muito bem analisado, só posso estar de acordo!
Sem imagem de perfil

De Pedro Coimbra a 14.10.2021 às 09:40

Se começarmos a recuar, e nem é preciso muito, há tantas crises para analisar.
Com todas devemos aprender.
Com poucas aprendemos realmente.
Sem imagem de perfil

De Claudia a 14.10.2021 às 10:26

Eu infelizmente fiquei desempregada durante esse tempo. Foi horrível.
Nem quero pensar nisso.

Já nesta crise do Covid, vá lá que a empresa manteve-se. Mas já era instável muito antes do Covid.

Mas sim, desisti de pensar que as pessoas vinham melhor.

Beijocas
Sem imagem de perfil

De Ricardo Santos a 14.10.2021 às 18:16

Saímos precisamente, a pensar, que afinal a sociedade que construímos não vai por bom caminho :(( !
Imagem de perfil

De Di a 14.10.2021 às 21:36

Mais egoístas sem dúvida, é horrível!
Melhores dias virão.
Beijinhos
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 14.10.2021 às 21:45

espero que sim, mas sinceramente ...
Imagem de perfil

De Di a 14.10.2021 às 21:45

Não me parece
Imagem de perfil

De cheia a 14.10.2021 às 22:57

Acho que as novas gerações têm-sido muito penalizadas pela falta de emprego, mas têm na educação, uma ferramenta para brilharem, nem que seja no estrangeiro.
Imagem de perfil

De Andy Bloig a 15.10.2021 às 11:00

A crise de 1997-2002 foi tão ou muito pior do que foi a de 2007-2013. A grande diferença foi que era uma altura que as empresas estavam capitalizadas. Agora estamos a ficar num ponto parecido com 2007, onde as empresas descapitalizam-se e num assopro, ficam sem nada.
É a mesma coisa que se passa com a ANTRAM e outras associações rodoviárias... quando os combustíveis estão baixos, aumentam os lucros, investem em carros de luxo (para os dirigentes) e quando o combustível sobe, anunciam 500% de despedimentos, já sem falar de manifestações "de 80000 milhões de pessoas que vão obrigar o governo a cair". (Seria um estudo interessante perceber porque é que os negacionistas lideram isto.)
A pandemia aumentou aquilo que já existia... os encontros laborais é que sofreram muitos danos e as empresas viram formas de poupar muitíssimo dinheiro, ao enviarem os trabalhadores para teletrabalho. Algumas empresas pouparam 30% dos custos mensais! Entretanto apoiam a descida do salários mínimo e passagem da TSU, total, para os salários... ao mesmo tempo que defendem a redução "de 80% a 95% nos impostos e taxas".
Sem imagem de perfil

De Maria do Mundo a 15.10.2021 às 18:10

Absolutamente de acordo. E eu fui daquelas idotas que achavam que íamos sair mais fortes. Do primeiro confinamento saí mais tranquila. Do segundo saí virada do avesso.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.