Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Leituras do Último: O tatuador de Auschwitz

15.05.20

IMG_20200504_211038.jpg

Depois de má experiência com Um oficial de Malta, a minha irmã comprou este livro e arrisquei lê-lo.

Falar e ler de Auschwitz e dos horrores do Nazismo não é das coisas que mais me interessam. Um período negro da nossa história, muito negro e muito maldoso. Já tinha lido elogios no blog da nossa querida blogger Marta Elle.

 

Li o livro numa tarde, tal forma cativante, bem escrito, um retrato de uma história real, mas sem ferir o leitor. Fala dos sentimentos, angústias, modo de funcionamento e do que cada um fazia para viver mais um dia no campo de concentração. Admirei isso na escrita de Heather Morris.

 

Nestes tempos de confinamento, em que a nossa liberdade está confinada a uma casa leva-nos a conhecer outras realidades e faz-nos pensar: podíamos estar bem piores.

Um bom livro e dos melhores que já li. Dá sempre vontade de ler a página a seguir, conhecer o detalhe seguinte.

 

Esta é a história assombrosa do tatuador de Auschwitz e da mulher que conquistou o seu coração - um dos episódios mais extraordinários e inesquecíveis do Holocausto.

Em 1942, Lale Sokolov chega a Auschwitz-Birkenau. Ali é incumbido da tarefa de tatuar os prisioneiros marcados para sobreviver - gravando uma sequência de números no braço de outras vítimas como ele - com uma tinta indelével. Era assim o processo de criação daquele que veio a tornar -se um dos símbolos mais poderosos do Holocausto.
À espera na fila pela sua vez de ser tatuada, aterrorizada e a tremer, encontra-se Gita. Para Lale, um sedutor, foi amor à primeira vista. Ele está determinado não só a lutar pela sua própria sobrevivência mas também pela desta jovem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:09


28 comentários

Imagem de perfil

De Mamã Gansa a 17.05.2020 às 00:57

Também não é um tema que me atraia em termos de literatura, talvez por ter aprofundado muito o tema quando fiz estágio, fiquei tão horrorizada que não é dos meus temas preferidos de leitura. Gosto de ler principalmente antes de dormir prefiro ler sobre outros temas e sou fã de fantasia e ficção. Mas pelo teu relato parece interessante.
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 17.05.2020 às 19:26

Percebo. Nestes tempos de confinamento, faz-nos pensar.
Imagem de perfil

De Mamã Gansa a 17.05.2020 às 22:29

Já pensei muito sobre o tema . Horroriza-me sim. Mas  também me horroriza numa época mais remota a Inquisição.  Mas também me horroriza que morram todos os dias refugiados no Mediterrâneo porque lhes fecharam a porta na cara por assim dizer. Também me horroriza que se fale tanto no Holocausto e haja um grande silêncio sobre o genocídio dos Arménios cristão pelos Turcos na primeira guerra Mundial. Também me horroriza que a Praça de Tianmen tenha  caído quase no esquecimento. Também me horroriza que Ruanda, Darfur, Zambeze sejam esquecidos e reincidentes. Também me horroriza o conflito Israelita/palestiniano onde parece que os judeus já se esqueceram dos  direitos humanos. Que conflitos como o da Bósnia sejam esquecidas. Que o conflito da Síria com o Covid quase seja esquecido ... para quê insistir no tema se o resto do século XX e o dealbar do século XXI provam que as pessoas não aprendem nada com o passado???? Há outros livros que nos fazem pensar, não estão na moda , não são atuais , mas fazem-nos pensar O Germinal de Émile Zola, A Freira nos Subterrâneos de Camilo Castelo Branco, simplesmente magistral sobre o que se passava nos conventos. Também te posso aconselhar já numa perspetiva mais contemporânea, sendo um livro recente  "Lisboa Nazi" do Sérgio Silva, vou ser honesta não li o livro, mas tive o privilégio de assisitir a uma ação de formação por ele sobre o Tema e por isso te posso garantir que é bom. Ainda não o tenho mas está na minha wislist .  Beijinhos Boas leituras.
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 22.05.2020 às 11:23

Retive o de Camilo - quiçá não o leio em breve. Queria ver se as bibliotecas abriam ao público. A de Espinho ainda só tem take away mas não teme sse de camilo
Sem imagem de perfil

De Portuguesinha a 17.05.2020 às 12:05

Eu tenho de estar sempre com o espirito bem fortalecido para pegar em leituras dessas. Já li e principalmente já vi centenas de documentários sobre o nazismo e os campos de concentração. Por isso não é mais um tema que me desperte a curiosidade.

Sinto até algum descrédito por estarem sempre a surgir "novas" historias para se contar, de alguem que foi prisioneiro ou mesmo guarda num desses campos. Suspeito que existe jm tanto de oportunismo e exploração, visando o sucesso pessoal e o lucro. Nao so dos autores, como das efitoras. Tudo é um negócio mas nestes temas, prefiro que relatem historias por necessidade de informar ou por necessidade de desabafar. Que mesclem ambição e lucro em vendas mexe um pouco comigo.

Repara que virou "moda". Se fizeres uma pesquisa lacam-se livros todos os anos sobre hitler, sobre o holocausto, etc. É tema que rende, sempre vai render. Mas tem de encontrar novas formas de vender o mesmo peixe. E aí surge a individualização. Acho que sempre romantizam as historias e usam o amor em tempos de odio como isco de venda de livro.

Repara na quantidade de romances históricos que saem todos os anos como paes de forno. Respeito aqueles que deixam claro que se trata de uma história inventada. Mas que usam pessoas que existiram.

Muitos leitores nao prestam atenção e pensam que o inventado foi a realidade e que a duqueza x, o conde z, a filha do general p, o anante do rei, etc... É literalmente um retrato fiel. Quando é tão difícil realmente saber-se desses detalhes em tempos tao idos.

Bom, desculpa o longo texto.
Se gostaste é o que ibteressa.
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 22.05.2020 às 11:26

é um bom ponto de vista!
Imagem de perfil

De Rute Justino a 17.05.2020 às 17:08

Eu tenho para ler a Bibliotecária Auschwitz, vai ser o próximo!
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 17.05.2020 às 19:13

deve ser da mesma temática. São tempos que dão que pensar: confinamento e que poderíamos estar bem pior. Boa leitura :)
Imagem de perfil

De Daniela a 20.05.2020 às 23:16

Já ouvi falar muito bem, agora ainda fiquei mais curiosa.
Sem dúvida que vai ficar na lista. 

Comentar post


Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.