Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Nepotismo

27.07.19

1500x500.jpg

 

Nos países irmãos, tem sido notícia a nomeação de familiares para cargos públicos.

 

Em Portugal nomeia-se a família para cargos públicos e favorecem-se familiares e amigos nesses mesmos concursos. 

No Brasil, o presidente nomeia o filho para embaixador nos Estado Unidos.

 

Dois países com a mesma língua, mas com os mesmos vícios. No Brasil, agitaram-se as águas com a nomeação de Eduardo Bolsonaro e com razão. O jovem não tem provas dadas para um cargo tão importante. O mesmo presidente que ataca a corrupção é o mesmo que promove o seu filho só por questões genéticas a um dos cargos mais importantes da nação, dado que ainda não tem currículo para tal.

Por cá, acha-se tudo normal nas nomeações sem familiares sem critério. Abafa-se o barulho porque todos têm o rabo preso. O caso da família César, o caso do genro de Jerónimo de Sousa na Câmara de Loures, a nomeação do filho de Durão Barroso no Banco de Portugal, a mulher de Marques Mendes, etc, etc. 

Em Portugal está mal, no Brasil está mal, mas por cá abafa-se. Lá contesta-se.

 

Update:  Pelos vistos a empresa das golas inflamáveis vendidas ao dobro do preço de mercado é do marido de uma ex-autarca do PS.

 

P.S.: Por falar em política, quando a ministra da Administração Interna Constança Sousa chorou nos incêndios de Pedrogão caíram-lhe em cima. Até Marcelo Rebelo de Sousa a criticou e praticamente pediu a sua demissão.

Agora o seu sucessor, homem, ataca tudo e todos (os autarcas, os jornalistas,...), com muita arrogância no discurso. Ninguém lhe solta os cães. MRS diz que ... tem de se analisar.

Dois pesos e duas medidas porque um homem e outro é mulher. 

Temos moral para criticar os outros? Portugal tem uma mentalidade parada no tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:12


21 comentários

Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 28.07.2019 às 12:42

O problema é quando o preço é mais baixo e o serviço sai incompleto e ou depois vêm os "extras" acabando por sair caro.

"mas deixem-nos em paz" - nota que não está em causa o partido, porque infelizmente é transversal a todos os partidos. Além disso, no meu blog nunca defendi o partido A, nem B, nem C. Aliás neste post tive o cuidado de referir casos de três partidos políticos :)
Imagem de perfil

De Sarin a 28.07.2019 às 12:51

Pelo contrário, está em causa o partido - o volume que este não-caso atingiu na comunicação social resultou apenas de visar o PCP, por inédito; e querer colá-lo aos inúmeros casos PS e PSD que vêm a público todos os dias é apenas um ataque político :)

Os problemas que apresentas resultam da ausência de fiscalização por quem de direito, nomeadamente pelos membros da Assembleia Municipal - as contas são públicas, devem ser denunciadas e os crimes participados.
E tais problemas a que aludes não ocorreram no caso, tanto quanto é público. Portanto, mais uma vez, foi um erro tentar colar este caso.

Último, não me referia especificamente a ti e por isso falei no plural ;)
Imagem de perfil

De O ultimo fecha a porta a 28.07.2019 às 12:56

Independente de ser o partido A, B e C, todos devem ser escrutinados.
Não concordo que se desculpem ingerências/incumprimentos e outras situações mais graves com o argumento de perseguição. Todos têm de cumprir as boas práticas na contratação pública e serem escrutinados, investigados e julgados, seja o bernardino, o jerónimo, o rui, a catarina, o António ou a Maria da Assunção. Ninguém está acima da lei :)
Imagem de perfil

De Sarin a 28.07.2019 às 13:06

Concordo contigo!
Todos devem ser escrutinados, sem excepções - daí bater-me por transparência nos processos e por votação em vez de nomeação.
Apenas, neste caso de Loures, houve escrutínio e depois difusão de falsidades com intuito político. Por muito que o processo tenha sido transparente e que tenha sido explicado que as notícias eram falsas (falsas, não imprecisas), as pessoas ouvem e retêm o que querem. A NG até tem um artigo sobre isso...

Já agora, o argumento da perseguição é válido quando, depois de os documentos estarem disponíveis e haver desmentidos por parte dos próprios e de terceiros, se continua a usar a notícia. Não há perseguição quando se investiga e até se aclararem as dúvidas - quero dizer, pode haver e há, mas não foi o caso :)

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.