Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


#Kudos no LinkedIn

07.06.19

O LinkedIn continua a inventar.

Depois de ativar as notificações de aniversário que já critiquei aqui, agora é possível dar kudos a outros usuários.

kudos.PNG

Já vi pessoas a darem esses elogios a amigos pessoais dentro da mesma empresa, mas que não trabalham entre si.

Também já vi usuários a darem "kudos" à chefia indireta.

 

Já estava a ver que isso ia acontecer: Misturar relações pessoais com profissionais e engraxar colegas que estão acima desvirtua o conceito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02

Millennials

09.04.19

mito.PNG

 

 

Hoje em dia, usa-se uma expressão para designar a geração entre os 20 e os 35 anos, que é "Millennials". 

Muito se fala sobre ela, mas penso que é uma faixa etária demasiado grande para estar numa categoria, se é que faz sentido uma "categoria"

Existem caracteristicas em comum nesta faixa etária: o online, as ferramentas informáticas, a mudança e a desmaterialização da vida. 

 

Mas existe uma diferença entre a geração que está a sair agora da Universidade e a geração que já está a trabalhar há alguns anitos: a exposição à crise de 2010-2014.

 

Daquilo que vejo na minha empresa e noutras, existe uma diferença grande na atitude  entre os que começaram a trabalhar antes e depois de 2015, além das personalidades das pessoas.

 

Lembrei-me disto porque vi que a capa da Exame fala sobre os Millennials generalizados e não me parece uma abordagem muito coerente. A revista até fala de "mitos". Nem sei que idade tem o jornalista que usou uma expressão tão forte, mas estamos a falar de pessoas, muitas pessoas e não seres extraterrestres. 

 

De qualquer das formas, quero ler o artigo, ou na biblioteca ou no supermercado, porque 4,60 € é muito caro :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 17:20

Dr ou Dra

18.12.18

Lembram-se de há três meses ter desabafado aqui da minha mudança de chefia?

Que o meu novo chefe era amigo pessoal da minha colega e que já se comentava a sua falta de imparcialidade futura...

 

Ora bem, ele vai sair da empresa e levou-a consigo. Assim, no espaço de um ano vou ter a quarta chefia e ficarei o elemento mais experiente da equipa com 11 meses de empresa. A malta que saiu, fui para novos "shared services" e já tinham mais de 6 anos de casa. 

Agora que fiquei obrigado incumbido de organizar a prenda de despedida dela, aderi ao MBWay e muita gente transferiu por essa via.

 

Mas reparei que a maioria dos meus colegas tem o "DR" ou "DRA" no nome da transferência?

Capturar.PNG

 

Vocês também têm?

Será que neste país de "Doutores e Engenheiros" faz jeito ter o título na conta bancária?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30

Serviços Partilhados, cada vez mais

11.12.18

trust-450352_960_720.png

Ontem falei do You vs Doutor e por falar em trabalho e multinacionais, soube-se na semana passada que vem mais uma empresa instalar o seu centro de serviços partilhados no Grande Porto. É a chinesa COFCO.

 

Trata-se de trabalho qualificado (o que é bom) e são cada vez mais empresas a apostar no nosso país.

Razões: estabilidade social, boa formação académica, facilidade de falar línguas estrangeiras (inglês), experiências bem sucedidas e baixos salários.

 

Só nestes últimos 3/4 anos foram várias as multinacionais a reforçarem/implementarem o seu centro de serviços partilhados no Grande Porto. Assim de cabeça: Adidas (Maia), Infineon (Maia), Sodexo (Porto), Natixis (Porto), BNP Paribas (porto), Voltalia (Porto), Faurecia (Feira), HB Fuller (V Conde), Seg Automotive (V Conde), Blip (Porto), Jumia (Porto), Prozis (Maia), Farfetch (Lionesa) e Pentaplast (Lionesa). A Mercadona, Bosch e a Ecco penso que não transferiram os serviços partilhados para cá, apenas centros de investigação e de excelência. Se a estes somarmos os que já cá estavam como as várias Sonae, Nors, Salvador Caetano, NOS, Corticeira Amorim, SuperBock, Monta Engil, etc verificamos uma enorme pressão no emprego nas áreas da Informática, Engenharia e Economia/Gestão/Contabilidade. Como captar e reter o melhor talento?

 

Estas áreas estão a ser muito procuradas e já se começa a sentir uma melhoria dos salários. Nesta fase de implementação, existe a procura por pessoas com alguma experiência, que mudam com prémios salariais. Por outro lado, os recém licenciados/mestres, têm duas características em comum notadas por muita gente: (i) são ótimos no inglês mas (ii) muitos descomprometidos com o trabalho. São a geração pós crise. Eu e vários colegas e amigos já mudamos neste contexto.

 

Para terminar, alguém comentava que o trânsito está cada vez mais caótico no Porto e o facto destas empresas estarem a sair do centro é bom, mas por outro lado há uma rede muito deficiente de transportes públicos. O centro da Lionesa por exemplo, o melhor sucedido espaço de escritórios da região, não tem metro nem comboio. As duas pontes estão completamente lotadas em hora de ponta e é bom começar a pensar nisso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:06

You vs Tu vs Doutor(a)

10.12.18

certificate-154169_960_720.png

 

Nas duas empresas americanas onde já trabalhei, havia no escritório português uma relação muito informal entre as pessoas, tratando-se toda a gente por tu.

 

Na empresa portuguesa onde trabalhei, havia o "você" com algumas pessoas. Algumas com formação exatamente igual à minha.

 

Esta semana estive numa chamada com alguém destacado da empresa na Alemanha e na conversa em inglês, dei por mim a refletir que o "you" resolve muitos problemas.

 

Seja no trato, seja na conjugação verbal. Os ingleses não complicam não andam com o terceiro-mundismo do "você pode" nem o Doutor para cima e para baixo.

 

Quando trabalhei em Auditoria, lembro-me de estar numa empresa cotada na CMVM em que uma das pessoas mais trabalhadoras e competente da firma (com mestrado), tratava o seu chefe por "Doutor". Sim, colegas da mesma empresa com este disparate. A pessoa em causa tinha apenas a licenciatura, mas como teve alguns cargos públicos, notava-se que gostava dessa vassalagem... E isto não foi assim há tanto tempo atrás. Será que para respeitarmos uma chefia a temos que tratar por você? Por Doutor? Por Engenheiro? 

 

Entre desconhecidos ou com pessoas mais velhos, faz parte da nossa cultura a terceira pessoa, o você, mas no trabalho, entre peers, não faz sentido. A melhor coisa que os ingleses inventaram é o "You" :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:44

As mudanças no trabalho pós crise

13.09.18

Li uma notícia muito interessante sobre o retrato do mercado de trabalho antes e depois da crise.

Genericamente:

- Maior peso das mulheres

- Mais peso dos trabalhadores qualificados

- Envelhecimento dos trabalhadores

- Mais trabalhadores por conta de outrem

office-620817_960_720.jpg

Se me surpreende? Nada

 

Com a crise, sobretudo em Lisboa, Porto, Braga e Fundão, houve um fenómeno invulgar.

Chegaram muitas empresas internacionais que trouxeram para Portugal os seus centros tecnológicos e de serviços partilhados, procurando pessoas licenciadas (sobretudo nas áreas da engenharia e da economia). Vêm atraídas pela versatilidade em línguas dos portugueses, pela qualidade da formação académica e salários mais baixos face a outros países. O meu atual emprego insere-se neste lote.

 

Com o aumento da independência, igualdade de oportunidades e haver menos homens na área financeira, o peso das mulheres aumenta, ainda que não em posição de  chefias.

 

Por outro lado, estas empresas procuram trabalhadores já com alguma experiência de modo a que, na fase de implementação de projeto, seja mais eficiente e existe uma geração mais velha de licenciados que não houve no passado

 

Outra razão que na minha opinião justifica este envelhecimento do trabalhador é outra, que já ouvi de várias pessoas: a geração de licenciados pós crise, que já foi educado no mundo da Playstation, Facebook e Youtubbers, não é (geralmente) muito comprometida com o trabalho.

Como não passou pelo crise, dizem que não dá valor às oportunidades e não querem saber. Já tinha escrito sobre isso há dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51

Desabafo

04.09.18

O meu novo manager é amigo pessoal da minha colega de trabalho, ex- chefe dela e foi ele quem a recomendou para as suas atuais funções.

Ela está na firma há 5 anos, eu há 8 meses.

Hoje, o meu ex-manager que me contratou alertou-me que me teria de exceder ao nível das competências para evitar o desiquilibrio da balança...

 

Terei motivos para ficar preocupado? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:18

Descontos no IRS

29.08.18

road-1030789_960_720.jpg

Uma pessoa ausenta-se das notícias e mal chega fica a saber que vai ser concedido um desconto de 50% de IRS a emigrantes. Só por acaso, é o imposto que leva a maior fatia do meu salário.

 

Em primeiro lugar vai ser preciso definir muito bem quem são esses "emigrantes"

 

Em segundo lugar, vai ser necessário definir as circunstâncias da emigração: a pessoa esteve inscrita no Centro de Emprego? Ou a pessoa emigrou porque recebeu uma proposta de trabalho aliciante do estrangeiro e despediu-se?

 

Em terceiro lugar, e quem ficou por cá, a pagar a sobretaxa de IRS?

Quem ficou com menos 50% do subsídio de Natal?

Quem ouviu o adjetivo de "piegas"? 

 

Em quarto lugar, será que esses emigrantes  querem voltar? Um país dominado pela corrupção e fraude, como se viu esta semana com as manobras de Pedrogão, com o silêncio do poder político? Um país com uma dívida externa muito elevada com sérias reservas quanto à sua sustentabilidade? Um país onde a saúde não é assegurada pelo Estado? Um país com mantém as elevadas desigualdades sociais? Um país que ainda assim tem muita coisa boa, com riqueza cultural e muito fofinho.

 

Não me parece justo para quem ficou no país, ou porque teve a sorte de manter o seu emprego, ou porque não quis abandonar o país, ou porque não arranjou melhor lá fora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38

Histórias de vida

01.08.18

No grupo que foi comigo ao Gerês no domingo, conheci uma rapariga da minha idade, mas com um percurso profissional muito diferente do meu, mas muito cru.

 

Dizia-me ela que tirou a licenciatura em Comunicação e o mestrado em assessoria empresarial.

O problema foi arranjar emprego digno na área dela: ou ofereciam estágios não remunerados, ou o salário mínimo por longas jornadas de trabalho. Acrescentou que na área dela, o factor "cunha" era determinante.

[lembrei-me de imediato de uma cara bonita que é apresentadora do Porto Canal, mas tem formação em Direito e o pai é um conceituado advogado do Porto].

 

Atualmente estava a trabalhar numa loja de shopping e era o melhor que arranjava. Um trabalho digno, relativamente bem remunerado para o que é e para a pressão e responsabilidade que tem.

 

Apesar de ter estudado 5 anos, não tinha expectativa de arranjar trabalho na área.

Disse ainda que na loja dela, a gerente só contrata pessoas licenciadas, mesmo sabendo que possa ser temporário, mas a experiência diz que essas pessoas levam o trabalho mais a sério.

 

Dou por mim a pensar na sorte que tenho e que tive em trabalhar sempre na minha área, sem recorrer ao factor "c".

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:12

Num dia, 4 olhares sobre o Trabalhador

02.05.18

Ontem celebrou-se o dia do trabalhador.

À tarde, fui dar uma volta à beira mar e chamou-me a atenção um homem que se encontrava a trabalhar na construção de um prédio em frente ao mar. Enquanto isso, muitos andavam a correr, a passear e a apanhar sol. Nas televisões, outros manifestavam-se pelos seus direitos nas principais praças. Curioso, três perspectivas sobre o feriado do trabalhador.

obra.jpg

 - O operário da construção civil

O que mais esforço físico despende, o que menos ganha e o que menos reclama.

Não percebi porque estava a trabalhar no feriado, dado que era a construção de um prédio. Haverá pressa para o acabar a tempo do Verão?

Porém, uma coisa é certa, a ilegalidade na construção é mais do que muita. Seja na legalização dos trabalhadores (muitos deles vindos dos países de Leste ou de África), seja no incumprimento de direitos legais, seja nos baixos salários praticados. Geralmente com pouca escolaridade, sujeitam-se ao que já, faça chuva, faça sol e sem reclamações.

 

- Os reivindicativos - funcionários públicos

Legitimamente reclamam os seus direitos. Não correm o risco de serem despedidos e têm condições muitos benéficas face à maioria dos trabalhadores privados - ADSE, cumprimento de horários, per si, já reduzidos e sem necessidade de apresentar grandes resultados. Com desvantagem, estão sujeitos a serem ultrapasados pelo Sr./Sra "Cunha"

Agora que as eleições se aproximam e o PCP perdeu muitas Câmaras Municipais, voltaram as manifestações.

 

- Os trabalhadores por conta de outrem com filhos

Aproveitam o dia para passear, turistar e descansar. Fazer greve? Não dá, porque senão são encostados e convidados a sair. Reclamar? Nos corredores ou de forma muito polite porque senão são encostados e convidados a sair. 

 

- Os trabalhadores por conta de outrem sem filhos

Aproveitam o dia para passear, turistar, descansar e ir  ao Linkedin. Com a perfeita noção que não empregos para a vida, não estão com muita paciência para se sujeitar a abusos do empregador.

Outros, viciados em trabalho, aproveitam o dia para ... trabalhar.

 

Depois há os desempregados que têm de sujeitar ao que aparece e aos que se aproveitam dessa situação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:25


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Blogs Portugal