Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Leituras do Último: Jogos de raiva

08.11.18

Este livro foi sugerido pela Magda Pais e arrisquei as 437 páginas.

 

Não me arrependi.

 

Muito bem escrito, é um reflexo da sociedade portuguesa e quiçá europeia dos finais da segunda década dos anos 2000.

O enredo da história aborda os perfis falsos nas redes sociais, a crítica gratuita (seja de índole sexual, racista, social), a dificuldade em distinguir o verdadeiro de não verdadeiro e as diferentes forma como os caça likes nos pode atingir tomando de exemplo as diferentes personagens da história.

O livro refere também o lado bom das redes:a possibilidade das nossos perfis e comentários nos tornarem conhecidos e tem uma relação deliciosa: a quantificação de quanto os outros gostam de nós com o nº de likes nas nossas publicações.

 

Assim, este livro do Rodrigo Guedes de Carvalho é uma reflexão sobre a dependência da sociedade atual dos ecrãs e todas os seus defeitos.

rgc.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:17

Leituras do Último: Livro de José Luís Peixoto

13.03.18

Tinha alguma curiosidade em ler este autor português mais contemporâneo. Procurei no Doutor Google e as críticas sobre este "Livro" eram bastante positivas. Li-o e não me arrependi.

livro.jpg

 

A primeira parte da ação "Livro" passa-se numa vila rural portuguesa no Estado Novo e explora a emigração portuguesa no anos 60 e 70. O estereótipo do português pedreiro e da portuguesa empregada de limpeza, pouco instruídos e com novo-riquismo, estão presentes na trama.

As personagens só são apresentadas pelo primeiro nome, refletindo a simplicidade e generalização social das mesmas.

 

O rapaz chama-se Ilidio e a moça Adelaide e vivem um namoro de adolescência, mas presos pelo preconceito e timidez próprio do regime. Ambos, sem futuro sorridente na ruralidade, são obrigados a emigrar para França, onde seguem caminhos diferentes. É feita uma descrição com peripécias da viagem  entre ambos os países, sendo dada ênfase ao peso da adaptação ao novo país e que muitos portugueses devem ter sentido. 

 

Depois, vem a segunda parte do livro, já após o 25 de Abril, com uma carga muito mais leve e de leitura mais rápida. As personagens regressam à aldeia, encontram-se, já no usufruto da reforma e do que ganharam.

 

Fiquei agradavelmente surpreendido com a escrita do autor, fluida, realista e criativa. Com alguns toques de humor, conseguiu retratar uma época qua ainda é familiar com uma história muito interessante e emocionante.

 

Recomendo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:39

O filme Um Crime no Expresso do oriente

07.12.17

Foi mera coincidência eu ter lido o livro como contei ontem e o filme ter estreado no mês passado.

 

Digo-vos, meus ricos 6,50 €.  Arrependi-me imenso de ter gasto 2 horas a ver o filme. É uma adaptação desastrosa da história!

 

As personagens mudam (umas desaparecem) e deixa-mse os pormenores das personagens que ajudam a resolver o mistério para 2º plano realçando-se os "efeitos especiais" . Para se ter uma ideia:

   - as primeiras 15 páginas da história, em que Agatha Christie faz uma espécie de introdução à viagem de comboio e que não têm interesse (daí só 15pág. em 200), ocupam nada mais nada menos que 25% do tempo de filme. Ou seja, 25% do filme é palha onde não se narra nada e mostra-se os efeitos especiais.

   -  no filme até inventam um amor perdido no tempo do detetive Poirrot e nunca Agatha Chistie refere tal facto. Mais uma vez leva-se a ação para o "vendável", o cor de rosa e para o secundário.O que ganhou a história com isso?

  - o comboio para devido à neve tal como no livro, mas no filme pára em cima de uma ponte enorme cheia de efeitos especiais. Fica melhor cinematograficamente. No livro, o pormenor que permite saber que há um assassino no comboio é o facto de não haver pagadas na neve...

- No filme há pistolas, violência e luta. No livro não. Poirrot passa de um detetive a um polícia das forças especiais. Vende mais assim. ...

 

O mistério, os detalhes das personagens e das personalidades são adulterados, tornando-se desinteressantes e confuso.

Lamento ser spoiller, mas o livro é mil vezes melhor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:31

Leituras do Último: Um Crime no Expresso do Oriente

06.12.17

Depois da desilusão com Batista Bastos, aproveitei o fim de semana em frente à lareira para ler Um Crime no Expresso do Oriente da Agatha Cristhie.

IMG_20171203_123644.jpg

 

Foi o primeiro livro que li dela e gostei imenso. Tendo em conta que estamos na década de 30 é bastante criativo e genuíno.

 

História

O detetive Poirrot viaja no comboio do "Expresso do Oriente" com destino a Paris. O comboio vem anormalmente cheio e na primeira noite de viagem a pesonagem que é assassinada pede-lhe ajuda dizendo que corre perigo. Poirrot, que não ia em trabalho, desvaloriza. Na noite seguinte, ela é assassinada e Poirrot entra em serviço. A história, muito bem escrita, trata de descobrir o assassino.

 

Pontos positivos

- Os pormenores

Não conhecia a escrita de Agatha, mas todos os pormenores que parecem redundantes acabam por ter um contributo decisivo na trama.

 

- História Criativa, mas não forçada.

Quando li o livro Cidades de Papel, critiquei o facto de achar a história demasiado rebuscada e já a pensar no filme. Neste livro, acho o contrário. A história é muito sequencial, muito genuína, mas misteriosa.

 

- Vontade de ler o capítulo seguinte

Cada depoiamento traz uma pista nova e não enrola (200 páginas). Muito bem escrito.

 

Pontos negativos

Não tenho.

 

Amanhã, falo sobre o filme que vi no domingo. Uma enorme desilusão. Nada fiel ao livro e muita a pensar na bilheteira e nos efeitos gráficos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:46

Leituras do Último: A colina de cristal

02.11.17

colina (2).jpgÉ um livro de Batista Bastos.

  

História

Existem duas personagens: o Centauro e o Rémora. Ambas se encontram no tempo e fazem um percurso solitário enquanto calceteiros.São descritos alguns episódios do nomadismo e solidão desta profissão.Conseguimos localizar-nos no tempo. A ação passa-se durante a instauração da 2ª República, com a asceção do Estado Novo ao poder e inclui alguns relatos da criação da legião portuguesa.

 

Opinião

Tenho dificuldades em elogiar o livro, pois não é muito percetível a história, nem a mensagem que pretende transmitir. Nem sequer consigo dar a minha interpretação o título. Talvez o problema seja meu, mas achei-o muito filosófico.

Porém, existem passagens interessantes sobre a instauração do regime Salazarista. Podia ser tão mais explorada...

 

Pontos positivos

- Algumas (mas poucas) descrições da implementação do Estado Novo em Portugal e o que era a "legião Portuguesa".

- Algumas descrições pormenorizadas do carater nómada dos estradeiros - penso que seja essa uma das mensagens do livro (?)

 

Pontos negativos

- Não tem história, fio condutor e a mensagem não é clara. O autor tem um extenso vocabulário, mas torna a narrativa muito complexa, indireta e eu, pessoalmente, não aprecio o estilo. Gosto de histórias claras em que se consegue facilmente resumi-la e que gera vontade a página seguinte. Não foi o caso.

- Fica a impressão que a história poderia ter sido muito mais desenvolvida e explorada, como o porquê do nome das personagens, episódios ligados à chegada do Estado Novo, o percurso errante e duro dos calceteiros.

 

Uma grande desilusão.Valeu (apenas) pela noção do que era a mocidade portuguesa.

 

P.S.: Têm aqui uma opinião diferente da minha. Foi a única crítica que encontrei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:32

Leituras do Último: O Conde de Abranhos

10.10.17

O Conde de Abranhos foi escrito por Eça de Queirós.

Tinha as expectativas elevadas. Foi-me recomendado por dois professores do Secundário e mais recentemente por um amigo. Digo-vos vale bem a pena. É um livro de crítica e sátira à classe política  do século XIX, mas podia ser de 2017.

 

História

A história é uma biografia do Conde de Abranhos, que chegou ministro da Marinha. É escrita pelo seu secretário, sempre muito elogioso e glorificador do Conde (ora não ficasse para a posteridade). É-nos relatado o percurso de vida, desde a família onde nasceu, a vida de estudante, a negação dos pais pobres e analfabetos, o casamento sem amor (ou melhor por amor ao dinheiro e aos amigos influentes do sogro), a ascensão partidária e na carreira, a esperteza dos "amigos" e  a nomeação a ministro, sem que perceba nada de Marinha.

 

Opinião 

As elevadas expectativas cumpriram-se.

Este livro é um deleite, relativamente curto  e o Conde Abranhos parece inspirado numa história real.

 

- Ironia

Os exageros, a vassalagem, o realismo cru na podridão política  e a crítica implícita são do melhor.

 

- O "ministro" que nega os pais pobres e plebeus

"Como estadista, a presença na sua casa daquele pai de feição reles, a comer arroz com faca, a escabichar os dentes com as unhas, só serviria a autoridade moral do Conde e o prestígio do seu talento". "Só receberia o pai em sua casa, com a condição de nunca aparecer aos jantares". Claro que a compaixão tinha de estar presente, como homem cristão, enviando a esmola ao pai plebeu.

 

- O abandono da amiga colorida grávida

O Conde estudou Direito em Coimbra e envolveu-se com uma empregada da casa onde estava hospedado. Esta engravidou e este ignorou-a, pois não tinha o estatuto nem lhe traria qualquer beneficio. "naquele espírito nobre sempre houvera horror a miseráveis".

 

- O casamento por interesse

É intencional o modo como é descrita a família e o que despertou o interesse do Conde na sua futura mulher. Uns sogros de feitio intragável e uma jovem desinteressante, mas com influência política e financeira que o ajudariam a subir na vida e carreira. 

 

- A aproximação interesseira ao padre

Para ganhar crédito de genro perfeito, o Conde foi viver para casa do padre, pois este tinha influência positiva na família. Todas as famílias influentes tinham o "seu" padre.

 

- Os meios para ser eleito deputado por Freixo de Espada à Cinta

Vivendo em Lisboa, renegando a familia de Penafiel e estudando em Coimbra, propuseram-lhe chegar a deputado por ... Freixo de Espada à Cinta: "tendo-se informado com cuidado dos nomes das pessoas influentes de FEC, a todas escreveu, oferecendo a sua influência, os serviços da sua eloquênicas e a sua casa" "Naturalmente logo que o conde foi nomeado Par do reino, esta benevolência findou e livrou-se para sempre "daquela cambada de carrapatos"".

 

- A ânsia do poleiro

Eis como é descrito o desejo de todos os que rodeiam o conde que ele chegue a ministro: " a pensão de reforma da D. Amália, o emprego do sobrinho da D. Joana, as ascensão canónica do Padre Augusto, os serviços do "Doutor", a ascensão social da esposa e da sogra à corte.

 

- A troca de favores na política

"Todos sabiam por compromissos antigos que a pasta da Marinha seria dada a Abranhos.

 

- A ascensão sem mérito

O conde era de Direito, mas foi nomeado Ministro da Marinha sem perceber nada da Marinha: "Notai que o Conde não era um Homem do Ofício". Só viu o mar aos 21 anos, tinha "antipatia" por ele", "sempre detestou o mar", "o horror do conde a navios era invencível", desvaloriza a geografia "nunca compreendeu cálculos estranhos de graus, latitudes e longitudes, nem dava grande crédito à ciência da navegação" e para perante uma gaffe de não saber onde ficava Moçambique (à época, colónia), diz "que fique na costa ocidental ou oriental, nada tira a que seja verdadeira a doutrina que estabeleço".

 

O livro é uma sátira à classe política do século XIX, mas podia ser de 2017, pois como o próprio dizia, as moscas mudam, mas a ... é a mesma. Portugal não evoluiu muito, pois conseguimos rever a classe política portuguesa, os "jotinhas" nesta personagem de fictícia tem muito pouco. Vale bem a pena!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:14

Leituras do Último: Uma fenda na muralha

22.09.17

Trata-se de um livro de Alves Redol, "Uma fenda na muralha" e li por sugestão do Robinson.

 

História

IMG_20170922_115740.jpg

 

Passa-se na Nazaré e relata a estreia em alto mar do barco de um pescador que é a personagem principal da história. O nome de guerra é Zé Diabo Negro, cujo simbolismo, é intencional. Uma figura machista, viúva, violenta, ego vincado e que sempre viveu o desafio da pesca no mar traiçoeiro da Nazaré.

A história começa com a festa dedicada à inauguração do barco de pesca mais recente da vila piscatória e que pertence ao Zé Diabo. Aí é desafiado pelo filho, aspirante a suceder o pai nas lides, a lançar-se em alto mar numa noite de tempestade, num misto de desafio, luta de egos e teste à embarcação, uma vez que outro pescador "concorrente" já decidiu que vai arriscar. Grande parte da narrativa descreve a angústia, o desespero e medo que os pescadores sofrem quando vão para alto mar, apontando para o fim trágico, que se confirma, uma vez que não chegam todos vivos a terra.

 

Opinião 

É um livro muito diferente daqueles que já li, pois passa-se na Nazaré e uma realismo e capacidade descritiva muito interessante. A escrita é muita fluida, emocionante e muito envolvente. 

 

 - História portuguesa

A ação passa-se Nazaré, uma realidade portuguesa e bem real. Para quem vive ou conhece a cidade consegue reencontrar-se facilmente com a história e com as personagens.

 

- Realismo da ação

Conseguimo-nos envolver muito facilmente na história, tal o realismo da descrição. A forma como é descrita a intensidade da tempestade, o sofrimento, medo e angústia de quem vai no mar e de quem fica em terra, o ego de emprestar o leme do barco a um novato, o ego de perder uma competição que no desespero se transforma em solidariedade, as promessas à Nossa Senhora da Nazaré e toda a envolvente são de alguém que sentiu a necessidade de viver para contar como li aqui

- Riqueza do vocabulário

Esta foi a principal dificuldade. Existem algumas palavras "técnicas" da pesca e algumas expressões que não são usadas no nosso quotidiano e por isso é uma descoberta. 

 

Em suma, é um livro muito bem escrito que vale a pena ler e que nos incute mais respeito pela dura profissão de pescador e uma viagem ao sentimento e mar nazareno.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 14:07

Leituras do Último: Aquele instante de felicidade

04.09.17

Estas férias li "Aquele instante de felicidade" de Federico Moccia.image.jpg

 

História

Passa-se na Itália, em 2015 e começa com o fim imprevisível do namoro com o protagonista, Niccolo. Desde a morte do pai que tem de cuidar da família: a mãe mergulhou numa depressão profunda, uma das irmãs troca de namorado como quem troca de camisa e a outra, com um filho de três anos, reatou com um namorado intratável.

Um dia, por completo acaso, ele e o melhor amigo conhecem duas jovens americanas, de férias em Roma.  E aí começa a tentativa de esquecer a namorada e encontrar uma nova luz ao fundo do túnel.

 

Opinião

Foi-me recomendado pela minha irmã e pelo título desconfiei que vinha um livro lamechas. Ela garantiu-me que não.

 

É uma história light para o Verão, mas não passa disso.

Não há mistério, não há suspense, não sentimos grande curiosidade em ler o capítulo seguinte, pois não há grande história. Tem muitas banalidades e narrativas das recordações dos momentos ue o protagonista passou com a namorada. Penso que havia espaço para melhorar muito mais a história, ter mais sumo e mais ação.

 

Pontos positivos:

- exaltação do carpe diem, não devemos ficar presos ao passado e viver o presente

- Conhecimento da Itália

Depois de conhecer as turistas, fazem uma viagem romântica para lhes dar a conhecer a Itália e permite ao leitor fazer também essa viagem. 

- Leitura fresca

Não maça, nem é daqueles livros melosos. É uma história leve para os dias de Verão.

 

Pontos negativos:

- Muita parra e pouca uva

Enrola, enrola, conta histórias do passado da personagem sem qualquer relevância para a história (acho que é mesmo para ocupar páginas no livro).

- Não dá vontade de chegar ao fim

A história não tem muito por onde avançar, pelo menos por onde o autor desenvolveu. Não há qualquer carácter de imprevisibilidade. Nem sequer o motivo pelo qual a ex acabou com ele (já que o autor insiste tanto em massacrar o leitor com o passado, poderia ter explorado por aí ...).

 

Em suma, é um livro light, mas que não me deu vontade de ler mais sobre esse autor.

 

P.S.: Devo ser o primeiro autor dos blogs do Sapo a comentar este livro e no blogspot pela pesquisa do Google encontrei algumas opiniões quase todas brasileiras. O que  também encontro é alguns posts com a sinopse e a biografia do autor e apenas isso. Claro que cada um posta e publicita o que muito bem entender no seu blog, mas não percebo qual a piada de se limitar a isso, sem dizer porque recomenda, ou não recomenda ou se sequer o leu.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:50

Leituras do Último: A rapariga do comboio

06.04.17

Já quase toda a gente leu, mas só à dias é que me chegou por empréstimo. Ontem acabei de ler, por isso cá vão as minhas impressões.

 

O livro assemelha-se a um policial. Tem crime, suspense e vidas mundanas (confesso que gosto de histórias em que sinta alguma adesão ao "carne e osso" das personagens. Envolve três mulheres que mantiveram uma relação amorosa, mas numa encruzilhada de histórias, traições e problemas como o alcoolismo, a vergonha na assunção do falhanço pessoal e profissional e a dificuldade com a confrontação feminina com a maternidade (a esperada, a indesejada e a que tarda em ocorrer). Porém, a história não é nada lamechas, pois envolve a morte de uma dessas mulheres e toda a trama em descobrir o assassino e o que se passou na noite do crime.

O livro é de leitura ligeira e cativante. Pessoalmente, gostei bastante de o ler. Não conhecia a autora, Paula Hawkins, mas o suspense e escrita simples, levam-me a recomendá-lo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:08

Leituras do Último: Contagem decrescente

25.01.17

Acabei ontem de ler este livro de Ken Follet.Liv01040643_f.jpg

 

A história decorre na Guerra Fria. A personagem principal é um cientista que trabalhou para o lançamento do foguetão Explorer I e que, pouco antes do lançamento do satélite, acorda numa casa-de-banho pública, com uma amnésia profunda. Não sabe nada sobre si e toda a história se desenrola na recuperação da identidade.

O espaço temporal da história são poucos dias e envolve enigmas e espionagem.  Transporta-nos para o passado, tem mistério, mas uma realidade distante da portuguesa. Pessoalmente gostei do livro e da história, mas por vezes é confusa e não percebe bem de que "lado" cada personagem está.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:40


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Blogs Portugal