Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Turistando pela Ilha Terceira (Açores)

03.02.19

A Terceira foi a quarta e última ilha desta minha viagem pelos Açores (depois de Santa Maria, São Miguel e Graciosa).

O cansaço era algum, mas confirmou-se a imagem que tinha. A seguir a São Miguel, a Terceira é, deste lote, a ilha mais desenvolvida e de maior dimensão. Ao aterrar no aeroporto, chama a atenção a área ocupada pela base americana das Lages. Bem extensa. de cor amarela e com a impressão de um certo abandono, i.e., de onde já viveu mais gente do que aquela que vive agora. 

Comecemos pela primeira cidade: a Praia da Vitória.

É impressionante o efeito de baía da localidade que  foi fechada pela mão do homem. A cidade fica muito protegida e muito bem enquadrada.

IMG_20180821_133019.jpg

Das cidades açorianas visitadas talvez seja a mais bonita.

Existe um miradouro perto de onde tirei estas fotos.

O areal é grande e majestoso, mas com uma tonalidade escura. Na marginal existe um hotel com lojas de praia, de souvenirs e restaurantes por baixo. Consegue-se facilmente perceber que é uma cidade agradável e como o nome diz, muito virada para a praia.

IMG_20180821_133115.jpg

Lá em baixo, o calçadão. Ao fundo está o miradouro onde tirei as fotos acima.

IMG_20180821_155054.jpg

Numa ida a pé pela cidade, no cento histórico, as casas têm o registo do resto das ilhas. Aqui a Câmara Municipal.

IMG_20180822_200023.jpg

A praça central em frente à Câmara. Vedada ao trânsito tem um símbolo curioso desenhado ni chão

IMG_20180822_200029.jpg

Ao lado da casa cor de rosa, a longa e majestosa rua central e pedonal da Praia da Vitória. Como noutras cidades, gravita o comércio tradicional. Reparem no tipo de calçada.

IMG_20180822_200225.jpg

Depois de passear a pe~la cidade, subimos lá cima a um dos pontos de maior popularidade dos Açores e que toda a gente fala: a manta de retalhos. Uma longa extensão de planície, com diferentes tonalidades de verde, com delimitações em pedra.

Algumas têm vacas a pastar. A par de S. Miguel, esta ilha é das que tem mais vacas.

As imagens deixam qualquer um sem palavras.

 

IMG_20180821_162314.jpg

IMG_20180821_162738.jpg

De seguida o caminho foi pela capital, Angra do Heroísmo. O tempo chuvoso impediu grandes passeios e fotografias. Naturalmente debruçada sobre o Atlântico, várias igrejas coloridas compõem a paisagem.

 

IMG_20180822_112502.jpg

O interior do Salão Nobre da Câmara Municipal aberta ao público.

IMG_20180822_134324.jpg

Ao longo de toda a ilha é comum ver estas capelinhas coloridas em honra do Divino Espirito Santo. Umas mais bonitas que outras, consegui fotografar esta. Um dos ex-libris da liha.

IMG_20180822_163643.jpg

Para finalizar a tour pela ilha, houve tempo para ir à Zona balnear dos Biscoitos. Estava mau tempo e chuva, pelo que não passamos da zona de cimento. Trata-se de um local ruchoso, onde a engenharia humana criou uma zona balnear.

IMG_20180822_182204.jpg

IMG_20180822_183829.jpg

Roteiro:

 

São Miguel - 2º dia

São Miguel - 1º dia

Santa Maria

Graciosa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:38

Turistando pela Graciosa (Açores)

28.12.18

Depois de Santa Maria e São Miguel (1º dia 2º dia), a terceira ilha a visitar foi a Graciosa.

Tinha muito curiosidade por esta ilha por ser menos turística e haver poucas imagens, fotografias e relatos nos blogs onde pesquisei.

 

Ao aterrar no aeroporto, chamou a atenção a sua microdimensão. Como a ilha é pequena, muito rapidamente se chegou do aeroporto ao centro da capital, Santa Cruz da Graciosa. A primeira coisa que chamou a atenção foi o facto de não andar ninguém na rua. Mesmo sendo Agosto. O que isto significa? Que quem lá vive, está a trabalhar e não há turistas. 

O centro da cidade é pequenino e tem dois grandes lagos abandonados. No passado serviam de reservatórios da água da chuva numa espécie de barragem dos tempos antigos. Hoje em dia são decorativos. Depois de uma volta a pé e à Igreja, constata-se que o comércio de rua é quase inexistente, o indispensável para a população da ilha. Naquele momento, questionamo-nos: somos nós que estamos mal habituados?

IMG_20180820_104434.jpg

Os tais tanques centrais

IMG_20180820_104608.jpg

A Igreja matiz

IMG_20180820_104810.jpg

Um coreto sem teto 

IMG_20180820_105345.jpg

Subindo ao miradouro (Monte Nossa Senhora da Ajuda)

(Aquela piscina é a do único hotel da ilha)

IMG_20180820_111508.jpg

Nesta foto consegue-se ver a dimensão da capital. Um núcleo de casas, com os tais tanques a ocupar o centro da cidade à beira mar virada.

IMG_20180820_111651.jpg

 

Percorrendo a ilha começam-se a ver os moinhos. Ao longo do passeio, percebe-se a razão de ser do nome: é muito fofinha e graciosa.

A primeira paragem foi junto a estes moínhos. Pelo que li nas placas, foram reaproveitados para alojamento local. O seu telhado pintado de vermelho e a sua dimensão gigante tornam-se muito característicos e a imagem de marca da ilha.

IMG_20180820_124232.jpg

Em frente aos moínhos, um ilhéu com muito bom aspeto. Lá perto existe uma lojinha que vende queijadas para os mais gulosos. Depois de lá estar experimentei.

IMG_20180820_124318.jpg

Seguindo no recorte costeiro, a próxima paragem foi na vila piscatória de Carapacho.

Mal entramos na primeira rua, chamou-me a atenção do seu nome: "Rua Moínhos de Vento". Só podia :)

IMG_20180820_124708.jpg

Continuando a caminhar em direção ao mar e às termas, deparei-me com esta caixote do lixo. Pode ser só para turista ver, mas que está qualquer coisa de fofo lá isso está.

IMG_20180820_130538.jpg

Descendo a rua junto ao mar, estão umas termas. Não entrei, mas a sua localização é muito curiosa. Fica em frente ao mar (é aquela casinha branca junto à água). Nesta zona não há praia, mas há um aproveitamento em cimento para fazer uma piscina natural.

IMG_20180820_131143.jpg

 

IMG_20180820_131505.jpg

Prosseguindo na ilha, é impressionante a nitidez com que se consegue ver a ilha de São Jorge e a do Pico.

IMG_20180820_131609.jpg

Mais uma vila piscatória e uma praia de areia escura. A única que identifiquei na ilha.

IMG_20180820_124841.jpg

IMG_20180820_125139.jpg

Curioso o pormenor para de acesso à praia (para impedir que os carros entrem por lá dentro).

 

Por fim, na Graciosa ainda deu para visitar  a Furna do Enxofre, a maior abóbada vulcânica da Europa. Dá para descer lá abaixo. Uma descida numa escada em caracol com um cheiro forte a enxofre, mas suportável. Um bom exercício de pernas porque depois é preciso depois subir :) Lá em baixo consegue-se ter a sensação do rochedo em cima de nós bem como ver água a borbulhar. Vale a pena!

IMG_20180820_160441.jpg

De mais um dos miradouros:

IMG_20180820_165555.jpgIMG_20180820_165640.jpg

IMG_20180820_165939.jpg

IMG_20180820_170249.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma nota final para a forma desta rocha no mar: parece um peixe. Incrível não é verdade!?

IMG_20180820_173245.jpg

Impossível ficar indiferente a esta ilha tão bela, mas ainda muito pouco  virada para o turismo. Atividades praticamente inexistentes, serviços de hotelaria, idem. Mas terá a ilha capacidade energética por exemplo para acolher turismo?

 

Roteiro:

São Miguel - 2º dia

São Miguel - 1º dia

Santa Maria

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:50

São Bento da Porta Aberta

26.12.18

Dia de férias, foi dia de ir até ao São Bento da Porta Aberta, junto ao Gerês.

Já não ia há cerca de dois anos, mas tinha de ser em 2018.

IMG_20181226_120215.jpg

 

IMG_20181226_120415.jpg

 

IMG_20181226_121233.jpg

 

IMG_20181226_121827.jpg

 

IMG_20181226_122827.jpg

 

IMG_20181226_122840.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41

Turistando por São Miguel (Açores) - parte II

20.12.18

Depois de Santa Maria e da visita às lagoas, Caldeira Velha e Ponta Delgada à noite no primeiro dia, o segundo dia foi igualmente apelativo.

 

Durante a manhã, demos um passeio pelo centro histórico de Ponta Delgada. O basalto é uma constante em todo o pavimento. Dá para ver nas fotos abaixo. É uma cidade agradável com o comércio tradicional e aos poucos começam-se a ver as lojas de souvenirs. As portas da cidade são o principal atrativo e existe um longo calçadão ao longo da marina. 

Infelizmente não tive oportunidade de ir ao mercado municipal. Ficará para uma próxima.

IMG_20180818_194646.jpg

Seguindo viagem, foi a vez da visitar e subir à Lagoa das Furnas. O acesso ao miradouro é a pé, mas tem estacionamento junto da base. Lá tem-se uma vista panorâmica. É impressionante a quantidade de verde que se vê lá de cima. Tudo tão virgem!

IMG_20180819_112417.jpg

IMG_20180819_112420.jpg

Descendo ao sopé, é ponto obrigatório passar nas Furnas. Na localidade e de forma gratuita é possível ver as ebulições vindas da terra. São várias as fontes que brotam vapor e o cheiro a vapor é muito intenso. Neste local é possível comprar numas barraquinhas ambulantes o bolo levedo.

IMG_20180819_115305.jpg

IMG_20180819_115639.jpg

Lá perto é o Parque Terra Nostra, o da piscina de água castanha. A água tem uma elevada % de ferro e em contacto com a temperatura ambiente e fica castanha. É obrigatório ir dar lá um mergulho. Tem balneários, tem-se pé e a água ferve. Infelizmente esqueci-me de tirar foto à água.

No parque dá para fazer trilhos, caminhadas  e disfrutar de um parque bem cuidado. Requer tempo. Numa próxima vez que lá for, gostava de o explorar. Ainda assim, fotografei estes nenúfares.

IMG_20180819_122227.jpg

Seguindo viagem, fomos obrigados a parar para fotografar. As estradas são autênticos miradouros.IMG_20180819_161413.jpg

A meio da tarde, deparamo-nos com um jardim maravilhoso com uma cascata muito cuidada, com flores e mais uma vez muito verde!

IMG_20180819_165300.jpg

 

IMG_20180819_165312_1.jpg

Igrejas são muitas. Em todo o lado há igrejas e o padrão é sempre o mesmo: basalto e caiadas de branco.

IMG_20180819_173920.jpg

Por fim, na visita à ilha, paragem obrigatória na fábrica de chá Gorreana (entrada livre).

É possível ver as máquinas de transformação de chá, degustar e uma lojinha para quem quiser comprar saquetas. À volta tem as plantações de chá.

IMG_20180819_185724.jpg

IMG_20180819_185628.jpg

Roteiro:

São Miguel - 1º dia

Santa Maria

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58

Turistando por São Miguel (Açores)

06.12.18

Retomando, finalmente, o meu roteiro pelos Açores.

Depois de Santa Maria, segui para a ilha de São Miguel, no Açores.

 

O primeiro impacto a começar no aeroporto e na viagem até à zona dos hotéis, na frente marítima de Ponta Delgada, é que é uma cidade muito mais desenvolvida que a vila do Porto.

 

Ponta Delgada é uma cidade normal: com (muitos) prédios, serviços e ruas pedonais, mas com a curiosidade de na zona da Baía serem praticamente só hotéis e restaurantes. Nessa mesma noite, num passeio na zona da marina a temperatura amena, estava muita gente na rua, nos restaurantes e bares.

IMG_20180818_005756.jpg

No dia seguinte, fomos aos principais pontos turísticos da ilha.

As ruas, à semelhança de Santa Maria estão em excelente estado (pelo menos nesses acessos).

No caminho para a Lagoa das Sete Cidades, o que mais chamou a atenção foram as hortênsias. A estrada está ladeada durante longos quilómetros por flores, que torna encantador o passeio. Consegue-se distinguir bem que se está a sair da zona urbana para a zona verdejante. Diga-se que é uma constante em toda a ilha.

IMG_20180818_103404.jpg

Já na Lagoa das Sete Cidades, o miradouro do Rei é ponto obrigatório.

A zona foi intervencionada recentemente, tendo um espaço bastante "acondicionado" para o turista tirar as fotos da praxe. A foto abaixo fala por si. De facto somos engolidos naquela cratera, tal a sua beleza e paz.

Lá em baixa na Lagoa, é possível fazer passeios de barco.

IMG_20180818_110444.jpg

Ao descer para atravessar a ponte passamos pela Lagoa Verde. As águas paradas deixam-na nesta cor.

IMG_20180818_113007.jpg

 

De seguida, fomos à plantação da ananases dos Açores que é gratuita. Tem estufas onde é possível visualizar os diferentes estados da produção do fruto, pois cada uma tem plantações em momentos diferentes do tempo, permitindo assim ver como é gerado e como cresce.

À tarde passamos pela famosa Caldeira Velha, cujo acesso se paga.

A água é quente e férrea, daí ter essa cor. O espaço é relativamente pequeno, tem balneários de apoio e vale a pena tomar banho (já que se paga ...). Neste jacuzzi natural, cuidado com a cor do fato de banho porque pode ficar inutilizável :)

IMG_20180818_181416.jpg

IMG_20180818_180842.jpg

De seguida o caminho foi para Rabo de Peixe e Ribeira Grande. É impressionante como está desenhada esta cidade. Fica num alto. Um riacho bem fundo passa junto à Câmara Municipal, havendo jardins (muito cuidados) no vale. Muito engraçado. 

IMG_20180818_172435.jpg

De regresso a Ponta Delgada, passa-se por mais lagoas, vacas e a vista é deslumbrante.

IMG_20180818_184454.jpg

IMG_20180818_125014.jpg

Nesta foto, é impressionante porque se consegue ver o mar de ambos os lados. Quando vemos esta beleza natural, ficamos desarmados.

IMG_20180818_185247.jpg

Já de regresso à cidade, na Marginal há esta escultura muito peculiar de uma baleia.

IMG_20180818_194600.jpg

À noite depois de jantar ainda tirei esta foto ao clássico arco de Ponta Delgada. É junto a ele e ruas circundantes que se concentram a maior parte das pessoas, dando muita vida noturna à cidade.

Em relação à gastronomia, confesso que fiquei um pouco desiludido. Os sabores são um pouco picantes e não existe um prato típico açoriano que se possa encontrar nos restaurantes.

IMG_20180818_010006.jpg

(Continua...)

Turistando por Santa Maria

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:49

A propósito dos WC na Baixa do Porto

06.11.18

Lembram-se que em Junho relatei aqui no blog que tinha visto uns turistas com o pirilau de fora a urinar em plena rua das Carmelitas no Porto, na noite, e que não havia WC públicos por perto?

 

Pois bem, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, respondeu a esta sugestão no Facebook.

Capturar.PNG

 E assim se faz a diferença do poder político.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:56

Turistando por ...

05.10.18

Alguém adivinha onde fui este feriado? :)

IMG_20181005_120735.jpg

 

IMG_20181005_142000.jpg

 

IMG_20181005_142023.jpg

 

IMG_20181005_142312.jpg

 

IMG_20181005_142434.jpg

 

IMG_20181005_143903.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21

Turistando por Santa Maria (Açores)

20.09.18

Como vos disse ontem, este Verão fui aos Açores.

Foi a primeira vez que fui e foram logo 4 ilhas. Uma tour cujo objetivo foi conhecer as ilhas. Picar os pontos turísticos, para um dia mais tarde voltar e explorar.

 

Hoje falo-vos de Santa Maria

 

Santa Maria é uma ilha pequenina, simples e ainda com pouca mão do homem.

 

 

É muito díspar a nível de paisagem, sendo muito árida na parte ocidental (onde fica o aeroporto) e muito verde na parte mais oriental.

 

Tem apenas uma cidade, Vila do Porto, com uma avenida principal. Concentra os serviços essenciais (câmara, entidades públicas, bancos, bomba de combustível e pouco mais). Tudo gravita à volta da mesma.

 

O hotel onde fiquei é o único de grandes dimensões. Nota-se claramente que a ilha é pequena, pouco virada para o turismo, mas é essa simplicidade que suscita interesse.

 

Estive um dia na ilha e a estrada que une a ilha está em bom estado, sendo curioso que cada freguesia tem sua cor. Isto é, as paragens, fontanários e edifícios comunitários têm cores especificas.

 

Um dos melhores sítios da ilha é a Praia Formosa (marítima).

As fotos abaixo falam por si. Uma praia com quase ninguém, areia limpa, clarinha e água é extraordinária (límpida e quente). Muito, muito agradável! Aproveitei para mergulhar e deu-me vontade de lá ficar horas na água. Essa praia, é também o sítio "social" da ilha onde se costumam organizar concertos e festivais de música.

Depois de lá estar, tive provar as meloas cuja plantação é na encosta da praia. Muito docinhas e saborosas.

 

Fiquei com vontade de lá voltar para explorar os trilhos, sobretudo na zona oriental que é mais verde e deve ter muito para descobrir.

 

IMG_20180817_102602.jpg

 

IMG_20180817_110743.jpg

 

IMG_20180817_112726.jpg

 

IMG_20180817_120003.jpg

 

IMG_20180817_120047.jpg

 

IMG_20180817_130301.jpg

 

IMG_20180817_151209.jpg

 

IMG_20180817_150623.jpg

 

IMG_20180817_161216.jpg

 

IMG_20180817_184102.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:14

Sete Lagoas em Xertelo, Gerês

26.07.18

No domingo, fui com o grupo onde tenho ido à Serra da Freita às Sete Lagoas no Gerês.

 

A partida foi em Xertelo, que já pertence a Montalegre e é necessário andar pelo monte cerca de 7 km a pé.

É o último ponto de estrada em alcatrão para lá chegar. É possível também ir de carro até às lagoas, mas é muito inclinado e em terra batida, pelo que só quem tem cilindrada ou pouco amor à viatura pode levar.

 

O caminho pelo trilho é acessível, sem grandes riscos ou partes estreitas. Há poucas sombras, mas fomos de manhã.

Chegados às Lagoas, verificamos que tem uma hídrica da EDP que mede a quantidade de água que desce e a vista é muito bonita.

Aproveitamos para mergulhar. As lagoas parecem ser fundas e a água é muito fria :)

 

Depois de almoço, subimos o leito do rio e descobrimos uma nova lagoa mais acima, onde a água estava mais quente, mas também é mais escorregadia (porque é menos humanizada).

 

No regresso, o organizador do grupo resolveu "inovar" e fomos pelos trilhos do lado oposto do vale por onde descemos e foi um belo exercício de pernas, pois subimos e descemos as montanhas três vezes, com direito a conhecer um belo desfiladeiro mais à frente.

 

A nossa amiga Maria Araújo descreve muito bem e tem fotos muito bonitas, pois também já lá esteve.

 

Deixo as minhas fotos:

Cabril

Aldeia pelo caminho. A água do rio é espelhada. Límpida, linda, linda.

IMG_20180722_093716.jpg

 

IMG_20180722_093728.jpg

 

IMG_20180722_094149.jpg

 

Xertelo

IMG_20180722_103305.jpg

 

IMG_20180722_114934_1.jpg

 

IMG_20180722_121730_4.jpg

 

IMG_20180722_131613.jpg

 

IMG_20180722_131650.jpg

 

IMG_20180722_132552.jpg

 Lagoa mais acima

IMG_20180722_152203.jpg

 Desfiladeiro a que chegamos pelos trilhos

IMG_20180722_183106.jpg

 

IMG_20180722_184247.jpg

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:17

Trilhos de Drave - Serra da Freita

19.07.18

Há duas semanas, no domingo, fui com o Grupo dos meus amigos a Drave - Serra da Freita.

 

Trata-se de uma aldeia desabitada na Serra da Freita, apenas acessível a pé, mas que ainda mantém algumas casas que têm resistido ao tempo e tem a particularidade de serem todas em Xisto.

Mas atenção que apesar de desabitada, não estava abandonada. Vários grupos de escuteiros cuidam da aldeia e domingo andavam vários.

 

Desde o último ponto de estrada (aldeia de Regoufe) ainda são 8 km a pé pelo trilho, com poucas sombras, mas com segurança.

 

Lá chegados, existem várias mini cascatas e piscinas naturais onde ainda mergulhei e água é tão límpida que dá vontade de ficar a desfrutar. É uma alternativa zen e saudável para um domingo bem passado e sem pressas.

 

Reparei que não eramos o único grupo que lá estava. Apesar de ser inacessível, andava lá até bastantes pessoas.

 

Drave:

IMG_20180708_121556.jpg

IMG_20180708_120304.jpg

 

IMG_20180708_121235.jpg

 

IMG_20180708_123248.jpg

 

IMG_20180708_154821.jpg

 

Aldeia de Regoufe

IMG_20180708_105544.jpg

 

 

Caminho para Drave

IMG_20180708_172100.jpg

 

IMG_20180708_173005.jpg

 

IMG_20180708_173257.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:27


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Blogs Portugal